Paulo Whitaker/Reuters
Paulo Whitaker/Reuters

Bolsa fecha em forte alta e dólar cai para R$ 3,26

No segundo pregão do ano, Ibovespa subiu 3,73% com apetite maior de investidor estrangeiro

Paula Dias, Lucas Hirata, O Estado de S.Paulo

03 de janeiro de 2017 | 19h02

O investidor estrangeiro voltou do feriado e do Ano Novo e teve forte participação na Bovespa nesta terça-feira, 3, embalado por indicadores econômicos positivos ao redor do mundo. Os "gringos" mostraram forte apetite por ações ligadas a commodities e bancos e o Índice Bovespa terminou o dia com ganho de 3,73%, aos 61.813,82 pontos, praticamente na máxima do dia. O volume de negócios somou R$ 7,45 bilhões.

Também o dólar reagiu à onda de otimismo e encerrou a segunda sessão do ano cotado de R$ 3,2615, em baixa de 0,60%, mostrando alguma acomodação frente à mínima de R$ 3,2475 (-1,03%). De acordo com dados registrados na BM&FBovespa, o volume de negócios no mercado à vista somou US$ 1,334 bilhão. Já o giro com o contrato futuro para fevereiro somou US$ 10,573 bilhões.

As atenções dos investidores se concentraram em dados de China, Reino Unido e Estados Unidos, todos com números positivos, apontando para o aquecimento das respectivas economias. As sinalizações de aquecimento econômico nos EUA deram maior força ao apetite por risco. 

As bolsas americanas reagiram com alta e a Bovespa acelerou os ganhos com que já vinha operando, renovando sucessivas máximas até os minutos finais de negociação. Nesse contexto de expectativa de aquecimento e apetite por risco, as ações de empresas produtoras de commodities foram as maiores beneficiadas. 

O símbolo da atratividade da Bolsa brasileira foram as ações da Petrobrás, que sustentaram forte alta mesmo depois que os preços do petróleo abandonaram os ganhos e passaram a cair. Os papéis da estatal petrolífera brasileira fecharam com ganhos de 6,35% (ON) e 5,73% (PN), respectivamente. As ações da Vale e de siderúrgicas seguiram a mesma tendência de apreciação. Vale ON subiu 4,43% e Vale PNA avançou 5,51%. Outro grupo que simbolizou a maior participação do investidor estrangeiro na Bolsa brasileira foi o dos bancos. Banco do Brasil ON liderou esse grupo, com ganho de 4,58%.

"De certa forma, podemos dizer que a Bovespa operou descolada das bolsas americanas no período da tarde. Enquanto em Wall Street os índices perderam fôlego no decorrer do dia, o nosso mercado permaneceu perto das máximas. A presença do investidor estrangeiro fez toda a diferença", comentou um operador de uma corretora paulista.

Notícias relacionadas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.