Epitacio Pessoa/Estadão
Epitacio Pessoa/Estadão

Bolsa opera em alta, à espera de dados dos EUA

Ata da última reunião do BC americano será divulgada nesta tarde; mercado espera por estímulos na Europa e ajuste fiscal no Brasil

O Estado de S. Paulo

07 de janeiro de 2015 | 11h08

Atualizado às 14h46

Até o início desta tarde de quarta-feira, 7, o pregão é positivo para a Bovespa, na expectativa da adoção de estímulos de liquidez na Europa e da adoção de um ajuste fiscal firme no Brasil. Às 14h00, o Ibovespa subia 3,06%, aos 49.468 pontos. 

No mesmo horário, o dólar comercial também subia, 0,22%, a R$ 2,704.

Como o destaque da agenda da quarta-feira, a ata da última reunião do Federal Reserve, será conhecido às 17 horas, portanto, com os negócios já encerrados na Bovespa, o mercado opera de olho em outros eventos no exterior e também a partir da expectativa de um ajuste fiscal consistente no Brasil e que evite uma alta muito forte da Selic.

De volta ao front doméstico, um corte no Orçamento na faixa de R$ 65 bilhões está praticamente definido, mas o governo teme anunciar a medida antes da aprovação do Orçamento pelo Congresso Nacional, o que só deve ocorrer em março. Uma saída discutida é o inédito corte dos duodécimos. Sem ter o Orçamento aprovado, os ministérios e secretarias podem gastar apenas 1/12 (um doze avos) do total de despesas previstas no ano. A ideia seria reduzir ainda mais os gastos que o governo pode fazer até março, quando o Planalto espera ter o Orçamento aprovado pelos parlamentares.

A recuperação exibida pela Bolsa nos primeiros negócios esteve calcada em altas dos principais papéis, como a Petrobrás. Os papéis PN da empresa subiam 3,24% no horário e os ON, 3,97%. Essa alta ocorre após a empresa ter divulgado na terça-feira, 6, que concluiu com sucesso a negociação com credores que demandavam demonstração contábil do terceiro trimestre de 2014 revisado pelo auditor externo até final de janeiro de 2015. 

Tudo o que sabemos sobre:
dolar,bolsa,petroleo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.