Gabriela Biló/Estadão
Gabriela Biló/Estadão

Dólar cai mais de 1% e fecha o dia cotado a R$ 3,80

Moeda americana reage a ingressos de recursos estrangeiros; Bolsa perde fôlego depois de subir com exterior favorável e encerra com queda de 0,22% aos 74 mil pontos

Karla Spotorno e Silvana Rocha, O Estado de S.Paulo

10 Julho 2018 | 11h37
Atualizado 10 Julho 2018 | 17h23

O apetite por ativos de risco marca a volta dos investidores locais aos negócios, após o feriado de segunda-feira em São Paulo, e sustentou a queda do dólar. A inversão para baixo frente o real ocorreu durante a manhã em meio a um fluxo pesado de venda da moeda principalmente por exportadores e investidores estrangeiros. No mercado à vista, o dólar chegou a mínima de R$ 3,7939, queda de 1,95%, o menor valor cotado durante o pregão desde 27 de junho. A moeda fechou o dia com queda de 1,71% aos R$ 3,8029

+ Incertezas no mercado devolvem atratividade de CDBs para investidor

O operador de câmbio Cleber Alessie Machado Neto, da corretora H.Commcor, afirma que a inflação ao consumidor na China levemente acima do esperado em junho beneficia as divisas de países emergentes, enquanto os investidores deixam o embate comercial entre EUA e China em segundo plano por enquanto.

Para o operador da H.Commcor, essa pressão teve ainda como pano de fundo um sentimento de insegurança renovada com a corrida presidencial, após o imbróglio envolvendo a soltura do ex-presidente Lula no domingo. Depois, porém, o mercado minimizou esse evento diante do dólar mais fraco lá fora. Machado Neto avalia que o dólar na faixa de R$ 3,80 a R$ 3,85 é patamar justo tendo em vista a conjuntura atual, que já embute alguma cautela. Já a cotação no patamar de R$ 3,90 ou acima disso reflete momentos pontuais de estresse.

Bolsa.O Ibovespa, principal índice de ações da B3, acentuou o ritmo de queda e chegou a renovar mínimas na última hora. Operadores ressaltam que a bolsa passa por um movimento de realização de lucros, em um ambiente sem notícias positivas tanto na área macroeconômica quanto corporativas, para sustentar uma alta do índice. 

O imbróglio jurídico para soltar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva durante o final de semana não chegou a afetar os preços hoje no mercado financeiro, segundo operadores. Mas o assunto contribui para manter as eleições no pano de fundo dos negócios hoje e deixar os investidores cautelosos. O Ibovespa fechou o pregão com queda de 0,22%, aos 74.847,41 pontos.

Mais conteúdo sobre:
bolsa de valoresdólar

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.