Gabriela Biló/Estadão
Gabriela Biló/Estadão

Bolsa fecha em baixa de 2,84% e dólar cai com segundo leilão do BC

Moeda americana chegou a bater em R$ 3,80, mas cedeu após BC anunciar segundo leilão de swap cambial, terminando a R$ 3, 77; Ibovespa não conseguiu sustentar trajetória de recuperação dos últimos dois pregões

Paula Dias, Silvana Rocha, Ana Luísa Westphalen e Fabrício de Castro, O Estado de S.Paulo

21 Junho 2018 | 11h43
Atualizado 21 Junho 2018 | 17h56

A Bolsa de Valores, B3, teve nesta quinta-feira, 21, um dia de prejuízo, após dois pregões de recuperação firme. Pesam contra o índice Ibovespa, com as principais ações negociadas no País, o cenário internacional e, sobreduto, as frustrações com o ritmo de aprovações de matérias importantes na Câmara dos Deputados, como no caso da cessão onerosa, da Petrobrás. O Ibovespa fechou o pregão em queda de 2,84%, aos 70.074,89 pontos.

+ Em dia de decisão do Copom, dólar sobe a R$ 3,77; Bolsa tem alta de 1,02%

O dólar oscilou ao longo do dia, terminando com a cotação da moeda à vista a R$ 3,7663, queda de 0,2%. A volatilidade refletiu a instabilidade do câmbio no mercado externo e a cautela com fatores domésticos. A alta verificada na maior parte do dia se reverteu após o Banco Central anunciar a realização de dois leilões de 20 mil contratos de swap cambial tradicional. A operação, que tem como objetivo a injeção de recursos novos no sistema, teve valor total de US$ 2 bilhões.

Dólar. Na semana passada, o BC anunciou, por meio de nota, a continuidade das operações de swap cambial nesta semana. A instituição estimava oferecer o montante de cerca de US$ 10 bilhões, sendo que este valor poderia ser ajustado para cima ou para baixo, dependendo das condições de mercado.

"A retomada da alta no fim do período acompanhou, em parte, o fortalecimento do dólar ante algumas moedas ligadas a commodities, como peso choileno, o rublo russo e a lira turca, mas o ajuste ante o real foi bem maior por causa de desconforto com a sinalização do Copom", afirma o operador de câmbio e derivativos do Banco Paulista Alberto Feliz de Oliveira Neto.

"Em vez de ter deixado aberta a possibilidade de alta nas próximas reuniões, o BC já precisava ter trazido uma mensagem mais forte em relação a uma possível elevação da Selic diante da subida recente da inflação e das incertezas na política e economia local, ainda que a autoridade diga que a elevação dos preços recente decorra de impacto da greve de caminhoneiros em alimentos, entre outros setores da economia", critica Oliveira Neto.

Na quarta-feira, 20, como era esperado pelo mercado, o Copom manteve, por unanimidade, a Selic em 6,50% ao ano, mas retirou do comunicado do encontro a indicação usada em maio que sinalizava juros estáveis no futuro. O BC citou ainda o cenário externo desafiador e de volatilidade, além de mencionar que a paralisação dos caminhoneiros em maio "dificulta a leitura da evolução recente da atividade econômica".

Bolsa. Petrobras ON e PN foram destaques de queda, com perdas de 5,01% (ON) e 6,85% (PN). A aprovação do texto-base do projeto que trata da cessão onerosa ontem na Câmara dos Deputados foi considerada um avanço por agentes do mercado, mas restam incertezas e investidores admitem que estão sem entender determinados pontos da discussão.

As atenções dos investidores também estão voltadas para o Tribunal Superior do Trabalho (TST), que julga a maior ação trabalhista da petroleira. Se a estatal perder, terá de desembolsar mais de R$ 15 bilhões, além de sofrer um aumento de até R$ 2 bilhões anuais na folha de pagamento.

Aberto pelos trabalhadores, o processo pede recálculo de um acordo coletivo de 2007 que concedeu adicionais ao salário, como trabalho noturno, por sobreaviso e confinamento. A estatal classifica como "possível" perder a ação.

Além disso, faltam votar destaques para a conclusão da apreciação da proposta. O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), retirou da pauta o projeto de lei da cessão onerosa faltando apenas três destaques para serem votados, que ficarão para a próxima sessão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.