Bolsa sobe 7,05% em março, melhor mês desde janeiro de 2012

 Foi também a primeira alta desde outubro de 2013, puxada por capital externo e estatais, em meio a expectativas de que Dilma perca forças na reeleição

Claudia Violante, da Agência Estado,

31 de março de 2014 | 17h49

SÃO PAULO - A Bovespa encerrou março, nesta segunda-feira, 31, com o melhor desempenho mensal desde janeiro de 2012 e com a primeira alta desde outubro do ano passado. O ingresso de capital estrangeiro se repetiu ao longo do mês e impulsionou o ganho com ações. Os destaques foram as estatais, em meio à expectativa do mercado de mudanças na condução da política econômica. Hoje, o índice retomou o patamar de 50 mil pontos, registrado pela última vez em janeiro.

O Ibovespa terminou o dia em alta de 1,30%, aos 50.414,92 pontos, maior patamar desde 8 de janeiro (50.576,64 pontos). Na mínima do dia, registrou 49.770 pontos (estabilidade) e, na máxima, 50.4189 pontos (+1,31%). No mês, subiu 7,05%, a maior alta mensal desde janeiro de 2012 (11,14%). Foi o melhor março desde 2010, quando subiu 7,18%. No trimestre, entretanto, caiu 2,12%, o pior resultado desde o segundo trimestre do ano passado (-15,78%). O giro financeiro totalizou R$ 6,873 bilhões.

A alta da sessão foi influenciada pelos ganhos das bolsas norte-americanas, mas teve a ação do estrangeiro na compra como fator adicional. Neste mês, os investidores estrangeiros ingressaram com R$ 2,199 bilhões em março até dia 27, pelos dados mais atualizados da Bolsa.

No saldo do mês, Petrobrás e Eletrobrás estão entre os destaques, em parte por causa da expectativa do mercado de que a presidente Dilma Rousseff perca força nas eleições de outubro, o que pode resultar numa guinada da política econômica e, numa avaliação mais ousada, na vitória da oposição.

Hoje, Petrobrás perdeu um pouco de ritmo, em função de um movimento de troca com Vale. Petrobrás ON recuou 0,33%, enquanto a PN subiu 0,77%. No mês, os papéis acumularam ganho de 15,17% e 16,11% e, no ano, perdas de 6,44% e 7,61%, respectivamente.

Vale subiu hoje também por causa da alta do preço do minério de ferro, de 4%, na China, para US$ 116,8 a tonelada. A ação ON terminou em +1,32% e a PNA, em +1,94%. No mês, acumularam queda de 4,79% e 2,54%. No ano, recuam 12,01% e 13,38%.

Eletrobrás ON subiu 32% no mês e acumula +12,44% no ano. Eletrobrás PNB avançou 19,69% no mês e 9,57% no ano. BB ON avançou 11,95% em março, mas cai 4,42% no ano. Hoje, Eletrobrás PNB subiu 0,93% e a ON, 4,76%.

Nos EUA, as bolsas operaram o dia todo em alta em reação às declarações da presidente do Federal Reserve, Janet Yellen, de que a economia do país ainda precisa de suporte extraordinário por algum tempo.

O Dow Jones subiu 0,82%, aos 16.457,66 pontos, acumulando +0,83% no mês e -0,72% no trimestre. S&P terminou em +0,79%, aos 1.872,35 pontos, com +0,69% no mês e +1,30% no trimestre. Nasdaq fechou com evolução de 1,04%, aos 4.198,99 pontos, com -2,53% no mês e +0,54% no trimestre.

Tudo o que sabemos sobre:
Bolsa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.