Bolsa sobe com China, estatais e mineradoras

Expectativa sobre nova equipe econômica segue no radar

Renata Pedini, Agência Estado

21 de novembro de 2014 | 11h20

A Bovespa abriu a sexta-feira em forte alta, já ultrapassando o nível dos 54 mil pontos, favorecida pelo bom humor nos mercados internacionais com a decisão, do banco central chinês, de reduzir suas taxas de referência. A expectativa de que a presidente Dilma Rousseff anuncie ainda nesta sexta-feira, 21, a sua nova equipe econômica também anima os investidores internamente. 

O Ibovespa avançava 1,86%, aos 54.395,29 pontos, tendo atingido na máxima os 54.420 pontos (+1,90%). Destaque para a valorização das ações ON e PNA da Vale, com 4,47% e 3,91%, respectivamente, às 10h45. O afrouxamento monetário na China ajudava também ajudava exportadoras de commodities no exterior.

Na Bolsa de Londres, Rio Tinto ganhava 4,52% pouco antes desse horário; BHP Billiton +4,42%; Anglo American +4,83% e ArcelorMittal +4,66%. A Bolsa londrina tinha alta de 0,97%. Em Wall Street, os futuros do Dow Jones e do S&P 500 avançavam 0,68% e 0,71%, respectivamente.

Na quinta, os ADRs da Petrobrás e da Vale em Nova York subiram em NY e isso se reflete nos negócios de hoje. A Bovespa ficou fechada na véspera devido a feriado. Petrobrás ON ganhava 3,67% e PN, 3,21%, no horário mencionado.

Os investidores também não descuidam das movimentações em torno da escolha do novo ministro da Fazenda. Dilma está reunida com o ministro-chefe da Casa Civil, Aloizio Mercadante, e pode bater o martelo e decidir quem será o substituto de Guido Mantega.

Tudo o que sabemos sobre:
bolsa,china

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.