Paulo Whitaker/Reuters
Paulo Whitaker/Reuters

Bovespa sobe mais de 2% e renova pico do ano com avanço de Petrobrás, Vale e siderúrgicas

Alta do petróleo, anúncio de contratos entre Brasil e China e dados fracos do emprego nos EUA motivaram alta; dólar teve leve queda e fechou a R$3,25

Paula Dias, Ricardo Leopoldo Renato Carvalho, O Estado de S.Paulo

02 Setembro 2016 | 11h28

SÃO PAULO - O mercado de ações no Brasil fechou em forte valorização nesta sexta-feira, 2, acompanhando dados fracos do emprego dos EUA e alta do petróleo. A Bovespa subiu 2,37%, aos 59.616,39 pontos, maior patamar desde setembro de 2014. Com a alta de hoje, a Bolsa fechou a semana com valorização de mais de 3%.

Desde cedo, o tom positivo foi determinado pelo resultado do payroll, relatório de empregos dos Estados Unidos, que indicou a criação de 151 mil vagas de trabalho em agosto. O dado ficou aquém dos 180 mil postos esperados, o que foi interpretado como sinal de que a economia norte-americana não está tão aquecida quanto se imaginava. Com isso, boa parte das apostas de elevação de juros nos EUA foram deslocadas de setembro para dezembro. Assim, o apetite do investidor por ativos de risco voltou a aumentar, sustentando as bolsas em todo o mundo, além dos preços das commodities.

Os ventos que sopraram favoravelmente do exterior ganharam fôlego maior no Brasil com uma melhora da percepção dos investidores com o cenário brasileiro. Foi bem recebido o anúncio de que Brasil e China assinarão cerca de dez contratos, que devem gerar pelo menos US$ 10 bilhões em novos investimentos no Brasil. Entre os negócios, estão investimentos no setor elétrico, de siderurgia, logística e aeronáutica, além da venda de aviões. O governo brasileiro também anunciou que a China Brazil Xinnenghuan International Investiment deverá anunciar assinatura de contrato de serviços, da ordem de US$ 3 bilhões, para a construção de uma unidade siderúrgica no Maranhão. Deverão ser criados 5 mil empregos. 

A notícia favoreceu as ações da Vale e do setor siderúrgico. Vale ON e PNA tiveram ganhos de 4,59% e 3,96%, respectivamente. As maiores altas do Ibovespa ficaram com CSN ON (+10,23%), Usiminas PNA (+10,17%), Gerdau Metalúrgica PN (+8,03%). Os ganhos desses papéis se aceleraram principalmente na última hora de negociação. Segundo operadores consultados pelo Broadcast, esse comportamento foi gerado por operações de zeragem de posições de investidores que estavam "vendidos" nesses papéis e não esperavam desempenho positivo. 

As ações da Petrobras também contribuíram para o rali da Bovespa hoje. Além da forte alta dos preços do petróleo nas bolsas de Nova York e Londres, as ações reagiram à notícia de que o plano de desligamento voluntário da estatal teve adesão de 11,704 mil empregados, número considerado satisfatório e que gerará economia em torno de R$ 33 bilhões até 2020. Os papéis também repercutiram reportagem divulgada na edição de hoje do jornal O Estado de S. Paulo revelando que a estatal já recebeu propostas de interessados em comprar a Liquigás, empresa de comercialização de botijão de gás. Ao final do dia, Petrobras ON e PN subiram 5,11% e 4,38%, respectivamente

Bancos também subiram com a perspectiva de melhora da situação econômica local, e a chance menor de aumento de juros nos Estados Unidos. Dentro do setor, Banco do Brasil ON subiu 3,76%. Também tiveram valorização Bradesco PN (+2,92%) e ON (+2,74%), Itaú Unibanco PN (+1,46%) e Santander Unit (+1,41%, na máxima).

Dólar. A moeda americana fechou o dia em leve queda de 0,02%, a R$ 3,25. Os dados fracos sobre o mercado de trabalho nos Estados Unidos impactaram a cotação da moeda, assim como o noticiário pouco animado no cenário local.  

Conforme informou mais cedo o Departamento do Trabalho, a economia norte-americana gerou 151 mil empregos em agosto, enquanto analistas previam aumento maior, de 180 mil postos. Além disso, a taxa de desemprego permaneceu em 4,9% em agosto, ante expectativa de que recuasse para 4,8%. Revisões de meses anteriores mostraram que os empregadores criaram 1 mil empregos a menos em junho e julho somados que o antes estimado. O ganho médio por hora para os trabalhadores do setor privado subiu US$ 0,03, ou 0,1%, na comparação entre agosto e o mês anterior, para US$ 25,73. Na comparação anual, os ganhos médios por hora tiveram alta de 2,4%, uma leve desaceleração ante o ganho anual do mês passado, mas bem acima da modesta inflação dos EUA neste momento.

 

 

Mais conteúdo sobre:
Mercado FinanceiroBovespaDólar

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.