Werther Santana / Estadão
Werther Santana / Estadão

Expectativa de queda da Selic faz Bolsa fechar aos 102 mil pontos

O Ibovespa, principal índice de ações do País, subiu 1,7% nesta sexta-feira; tensões entre EUA e Irã levam a cotação do barril de petróleo a subir 1%

Simone Cavalcanti e Victor Rezende, O Estado de S.Paulo

21 de junho de 2019 | 11h13
Atualizado 21 de junho de 2019 | 17h34

A indicação do Banco Central brasileiro, que deixou a porta mais aberta para um corte de juros no País, e o otimismo em relação ao andamento da reforma da Previdência, além do quadro de afrouxamento monetário global, renovaram o apetite dos investidores por ativos brasileiros nesta sexta-feira, 21.

Na Bolsa, o Ibovespa chegou a mais um recorde histórico de fechamento, após bater máximas sequenciais durante o pregão. O índice subiu 1,70%, fechando aos 102.012,64 pontos. No mercado cambial, o dólar terminou em queda de 0,62%, cotado a R$ 3,8252, menor patamar desde 10 de abril.

Algumas instituições já trabalham com a possibilidade de o Banco Central começar o afrouxamento com um passo maior, de 0,50 ponto no mês que vem, após projeções de inflação baixas e, principalmente, menção à interrupção do processo de crescimento da atividade econômica. Esse cenário contempla aprovação da reforma da Previdência em primeiro turno na Câmara antes do recesso parlamentar.

As expectativas positivas com a proposta, aliás, ajudam a embalar os ativos de forma geral. Segundo o Estadão/Broadcast apurou, um acordo está a caminho para essa votação no plenário antes do recesso. Nesse ambiente, o "risco Brasil" medido pelo Credit Default Swap (CDS) de 5 anos do País, é negociado em 147 pontos, nos níveis mais baixos desde 31 de janeiro de 2018.

Petróleo

Mais cedo, o petróleo Brent foi acima de US$ 65 por barril nesta sexta-feira e está a caminho de ganhar 5% nesta semana devido aos temores de um possível ataque militar norte-americano ao Irã, que interromperia os fluxos do Oriente Médio, que fornece mais de um quinto da produção mundial de petróleo.

O petróleo Brent subia US$ 0,67, ou 1,04%, a US$ 65,12 por barril, às 12h de Brasília. O preço de referência global cresceu 4,3% na quinta-feira e está no caminho para seu primeiro ganho semanal em cinco semanas. /COM REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.