Bolsa/NY fecha em queda e juro do T-bond sobe com temor sobre Fed

O mercado norte-americano de ações fechou em queda, com os principais índices devolvendo cerca de metade dos ganhos de ontem. Traders disseram que a expectativa crescente de novos apertos monetários por parte do Federal Reserve estão mantendo a volatilidade nos mercados. "Parece haver um sentimento crescente, entre os gerentes de carteiras, de que haverá uma elevação de 50 pontos-base na próxima semana. O mercado está tendo dificuldade em ajustar-se a essa idéia, sem saber se isso será bom ou mau para as ações. Uma elevação de 50 pontos-base pode ser percebida como um fator positivo, porque poderia marcar o fim do ciclo de apertos do Fed. Mas, do lado negativo, ela poderia ser recebida como sinal do início de uma desaceleração econômica", comentou Steven Kroll, da Monness, Crespi & Hardt. As ações da rede de drogarias Rite Aid caíram 7,7%, depois de a empresa divulgar um informe sobre suas vendas no trimestre março/maio. As da rede de lojas de móveis Bed, Bath & Beyond recuaram 6%, em reação a seu informe de resultados. As da Novell, do setor de tecnologia, subiram 9,2%, após a empresa anunciar mudanças em seu comando. Entre as componentes do índice Dow Jones, as ações da General Motors subiram 4,1%, depois de um de seus executivos dizer, durante uma conferência do setor automotivo em Viena, que o resultado da empresa no segundo trimestre será "bom". As ações da Boeing caíram 2,1%, em reação a reportagem do Wall Street Journal segundo a qual a companhia estuda vender sua unidade de internet a bordo de aviões, a Connexion. O índice Dow Jones fechou em queda de 60,35 pontos (0,54%), em 11.019,11 pontos. A mínima foi em 10.986,14 pontos e a máxima em 11.077,78 pontos. O Nasdaq fechou em queda de 18,22 pontos (0,85%), em 2.122,98 pontos, com mínima em 2.113,59 pontos e máxima em 2.141,20 pontos. O Standard & Poor's-500 caiu 6,60 pontos (0,53%), para 1.245,60 pontos. O NYSE Composite recuou 33,14 pontos (0,42%), para 7.920,432 pontos. O volume negociado na NYSE ficou em 1,471 bilhão de ações, de 1,666 bilhão ontem; 1.136 ações subiram, 2.157 caíram e 157 fecharam nos mesmos níveis de ontem. No Nasdaq, o volume ficou em 1,685 bilhão de ações negociadas, de 1,859 bilhão ontem, com 1.221 ações fechando em alta e 1.771 em queda. Títulos Os preços dos títulos do Tesouro dos EUA voltaram a cair, com correspondente alta nos juros. O juro da T-note de 10 anos chegou ao fim do dia no nível mais alto dos últimos quatro anos. Segundo Scott Gewirtz, chefe da mesa de Treasuries da Lehman Brothers, investidores desfizeram posições baseadas na expectativa de que os preços dos Treasuries se recuperariam em reação a indicadores fracos (foram divulgados hoje o índice dos indicadores antecedentes da economia referente a maio, o índice de atividade nacional do Fed de Chicago e o número de pedidos de auxílio-desemprego feitos na semana passada). Ao mesmo tempo, alguns bancos passaram a prever que o ciclo de apertos monetários dos EUA vai se estender por mais tempo do que se esperava; o Barclays, por exemplo, agora prevê que a taxa dos Fed Funds estará em 6% no fim do ano; a previsão anterior do banco era de 5,5%. Traders disseram que outro fator para a queda dos preços dos Treasuries foi a expectativa de oferta de novos títulos no mercado. O Tesouro dos EUA anunciou hoje que vai leiloar US$ 22 bilhões em notes de 2 anos e US$ 14 bilhões em notes de 5 anos na próxima semana. No fechamento em Nova York, o juro projetado pelos T-bonds de 30 anos estava em 5,236%, de 5,194% ontem; o juro das T-notes de 10 anos estava em 5,204%, de 5,155% ontem; o juro das T-notes de 2 anos estava em 5,242%, de 5,194% ontem. As informações são da Dow Jones.

Agencia Estado,

22 de junho de 2006 | 18h31

Tudo o que sabemos sobre:
finanças

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.