Bolsas asiáticas avançam com melhora na Ucrânia

Mercados assimilaram otimismo dos investidores norte-americanos na sessão anterior, alimentado por dados favoráveis dos EUA

Marcelo Ribeiro Silva, da Agência Estado, com informações da Dow Jones Newswires,

18 de março de 2014 | 08h40

As bolsas asiáticas encerraram o pregão desta terça-feira em terreno positivo, com os investidores menos preocupados sobre a situação política da Ucrânia após o resultado do referendo na Crimeia, no qual uma maioria esmagadora dos eleitores votou pela reintegração da região ao território russo.

Os mercados asiáticos assimilaram o otimismo dos investidores norte-americanos na sessão anterior, que foi alimentado por dados favoráveis dos EUA e pela menor tensão no Leste Europeu.

Incertezas sobre a situação geopolítica da Ucrânia pesaram sobre o sentimento global ao longo das últimas semanas. Ontem, as ações asiáticas encerraram sem direção única, após os investidores receberem negativamente o resultado do referendo da Crimeia. Na sessão de hoje, porém, as bolsas da Ásia seguiram o tom positivo mostrado pelos índices de Nova York nos negócios de segunda-feira.

Na China, as principais bolsas fecharam próximas da estabilidade, à medida que os ganhos de ações "verdes" foram compensados por quedas em papéis do setor imobiliário, onde os riscos financeiros estão crescendo. O índice Xangai Composto avançou 0,1%, a 2.025,20 pontos, enquanto o Shenzhen Composto ganhou 0,3%, a 1.099,90 pontos.

Dados oficiais mostraram que os preços dos imóveis na China desaceleraram pelo terceiro mês consecutivo em fevereiro. A informação de que a Zhejiang Xingrun Real Estate, incorporadora localizada em uma pequena cidade da China, deu calote de quase US$ 400 milhões também não agradou os investidores do segmento.

Entre as ações, a China Vanke caiu 2,1%, a China Merchants Property perdeu 3,1% e a Poly Real Estate cedeu 2,8%.

Por outro lado, as ações "verdes" subiram em meio à expectativa de mais ajuda financeira do governo chinês. As grandes cidades já anunciaram subsídios para os compradores de veículos elétricos. Os papéis da Anhui Jianghuai Automobile subiram 6,9%, enquanto os da Haima Automobile ganharam 2,7%.

No mesmo sentido, a Bolsa de Hong Kong fechou em alta de 0,51%, com o índice Hang Seng a 21.583,50 pontos. O índice foi impulsionado pelas ações da Tencent Holdings, que avançaram 5,2%, após a companhia ter vendido participação na ChinaVision Media por 1,015 bilhão de wons sul-coreanos.

Entre os demais índices da região, o sul-coreano, Kospi, subiu 0,66%, a 1.940,21 pontos, enquanto o de Taiwan, o Taiex, ganhou 0,37%, a 8.731,94 pontos.

Na região do Pacífico, o otimismo prevaleceu na Bolsa da Austrália após o Ocidente decidir não impor sanções severas à Rússia em função de seus planos de anexar a Crimeia ao seu território. O índice S&P/ASX 200, da Bolsa de Sydney, ganhou 0,5%, a 5.344,6 pontos. Entre as ações, a BHP Billiton e a Rio Tinto subiram 1,6% e 0,9%, respectivamente, enquanto o National Australia Bank e o Westfield Group ganharam 0,99% e 1,38%, nesta ordem. (Marcelo Ribeiro Silva, com informações da Dow Jones Newswires - marcelo.silva@estadao.com)

Tudo o que sabemos sobre:
ásiabolsas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.