Bolsas asiáticas fecham de olho em Iraque e China

As bolsas asiáticas fecharam em direções divergentes, com as preocupações com a crescente violência no Iraque contrabalançando a influência positiva do fechamento em alta das bolsas de Nova York ontem. Além disso, os investidores já começaram a se preparar para a divulgação de dados sobre o setor manufatureiro da China no início da próxima semana.

AE, Agência Estado

20 de junho de 2014 | 08h52

Na China, as ações tiveram leve alta à espera da publicação do índice dos gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês) industrial HSBC preliminar de junho, previsto para a noite de domingo. Analistas do Société General esperam um terceiro aumento sucessivo no indicador. O índice Xangai Composto subiu 0,2%, para 2.026,67 pontos, e o Shenzhen Composto avançou 0,9%, para 1.096,44 pontos.

O índice PSEi da Bolsa de Manila, nas Filipinas, se recuperou após cinco sessões consecutivas de queda e fechou em alta de 0,5%, aos 6.730,96 pontos, com notícias corporativas dando força às ações em um dia de baixo volume de negócios. A Megaworld subiu 3,2% e o Travellers International Hotel Group caiu 0,8% depois de a construtora afirmar que comprou US$ 237 bilhões em ações no grupo hoteleiro.

Na Tailândia, o índice SET da Bolsa de Bangcoc ganhou 0,4%, para 1.467,29 pontos, e registrou o melhor desempenho semanal entre as principais bolsas asiáticas, um avanço de 0,8%.

Na Bolsa de Hong Kong, o índice Hang Seng teve leve alta de 0,1%, para 23.194,06 pontos, no primeiro avanço em uma semana. Ações de mineradoras de ouro ajudaram a sustentar o índice depois de o preço do metal precioso à vista subir 3,4% ontem. Zijin Mining Group fechou com +2,9%.

Em Seul, o índice Kospi caiu 1,2%, para 1.968,07 pontos, enquanto em Cingapura o índice Straits Times recuou 0,3%, para 3.258,80 pontos.

O índice S&P ASX 200 da Bolsa de Sydney, na Austrália, caiu 0,9%, para 5.419,50 pontos, devolvendo parte do avanço de 1,6% registrado na sessão anterior em seguida ao anúncio do Federal Reserve de que vai manter os juros baixos. Na sessão de hoje houve vendas generalizadas diante de um baixo volume de negócios, ao mesmo tempo que o índice foi pressionado pela alta taxa de câmbio do dólar australiano e pelos baixos preços das commodities. (Danielle Chaves, com informações da Dow Jones Newswires - danielle.chaves@estadao.com)

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.