Bolsas asiáticas fecham em alta após PMI da China

O otimismo com a atividade industrial da China impulsionou os mercados acionários da região da Ásia e do Pacífico, após a publicação do índice de gerentes de compras (PMI) melhor do que o esperado no país. Entre os destaques, a Bolsa de Hong Kong encerrou no maior nível em mais de três anos e as ações em Sydney atingiram uma nova máxima em seis anos.

LUCAS HIRATA, COM INFORMAÇÕES DA DOW JONES, Agência Estado

24 de julho de 2014 | 08h17

O índice dos gerentes de compras industrial da China subiu para 52,0 em julho, de 50,7 em junho, segundo números preliminares do HSBC. Com este resultado, o PMI industrial alcançou o maior nível em um ano e meio, além de ficar bem acima da marca de 50 que indica melhora na atividade do setor na comparação com o mês anterior.

Em resposta, o índice Hang Seng, da Bolsa de Hong Kong, subiu 0,71%, para 24.141,50 pontos, o maior nível de fechamento desde abril de 2011. Junto com os positivos números do Produto Interno Bruto (PIB) chinês para o segundo trimestre, o indicador da indústria sustentou a visão de que a economia da China está se recuperando depois de uma desaceleração no início do ano.

A tendência de alta em Hong Kong também foi sustentada diante de expectativas de que mais governos locais em todo o país devem aliviar as restrições sobre a compra de imóveis, com o objetivo de ajudar o mercado imobiliário.

O índice Xangai Composto, por sua vez, encerrou com ganho de 1,28%, aos 2.105,06 pontos, o nível de fechamento mais alto desde 16 de abril. O índice Shenzhen Composto, por outro lado, cedeu 0,15%, aos 1.101,09 pontos, tendo em vista que muitos investidores saíram de papéis de empresas menores diante de preocupações relacionadas a crescimento nos lucros.

Outro forte resultado veio da Austrália. O índice S&P/ASX 200, de Sydney, terminou com elevação de 0,20%, aos 5.587,80 pontos, renovando a máxima em seis anos. O setor de mineração foi ajudado pelo dado da China, tendo em vista que o mercado chinês é um dos mais importantes do mundo para commodities industriais. Os papéis da Rio Tinto ganharam 0,87% e os da BHP Billinton avançaram 0,21%, afastando um enfraquecimento do início do pregão.

O índice Kospi, porém, cedeu 0,08%, aos 2.026,62 pontos. O Produto Interno Bruto (PIB) da Coreia do Sul expandiu-se 0,6% no segundo trimestre em relação aos três primeiros meses do ano, o ritmo mais lento desde o primeiro trimestre de 2013, em termos sazonalmente ajustados. No acumulado

de 12 meses o país cresceu 3,6%, uma desaceleração se comparado ao final do primeiro trimestre deste ano, quando o crescimento em um ano somava 3,9%. O resultado veio um pouco pior do que a expectativa dos analistas, que esperavam um avanço de 0,7% no segundo trimestre em relação ao primeiro.

Tudo o que sabemos sobre:
Ásiabolsasmercado financeiro

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.