Bolsas asiáticas fecham em alta com fatores locais

Os mercados de ações da região da Ásia e do Pacífico fecharam majoritariamente em alta nesta terça-feira, com um certo alívio diante dos possíveis impactos da crise do Leste Europeu na economia mais ampla. Entre os destaques, a bolsa de Hong Kong encerrou o dia no maior nível desde dezembro, impulsionada pelo setor imobiliário em meio a expectativas sobre mudanças na política para a área na China. Por outro lado, os papéis na Indonésia recuaram com cautela antes do anúncio do resultado da eleição presidencial.

LUCAS HIRATA, COM INFORMAÇÕES DA DOW JONES, Agência Estado

22 de julho de 2014 | 08h28

Os investidores mostraram um pouco menos de preocupação com a crise na Ucrânia, embora o tema ainda esteja sob intensa análise, depois que o Conselho de Segurança da Organização da Nações Unidas (ONU) aprovou por unanimidade um pedido de investigação internacional para a queda do voo da Malaysia Airlines. O medida contou com a aprovação da Rússia, o que sinalizou uma certa cooperação entre Moscou e governos ocidentais.

Com isso, o índice Kospi, de Seul, subiu 0,52%, para 2.028,93 pontos, em um dia de poucos indicadores econômicos na região. Em Sydney, o índice S&P/ASX 200 registrou ganho de 0,06%, aos 5.543,30 pontos, nível mais alto de fechamento desde junho de 2008, com avanços moderados nos papéis da BHP Billiton, Rio Tinto e Fortescue Metals.

Na Bolsa de Hong Kong, o índice Hang Seng fechou com elevação de 1,69%, aos 23.782,11 pontos, o melhor ganho diário desde maio. As incorporadoras imobiliárias lideraram os avanços diante da expectativa de uma flexibilização maior nas restrições do setor imobiliário por governos locais na China.

O ministro de moradias chinês, Chen Zhenggao, disse em uma recente reunião que reduzir os estoques de residências é uma prioridade, de acordo com uma reportagem do 21st Century Business Herald, sinalizando que os governos locais podem ficar mais acomodatícios no que se refere a suas políticas.

A tendência de alta também foi observada na China continental, onde o índice Xangai Composto subiu 1,02%, para 2.075,48 pontos, o nível mais alto de fechamento desde 16 de junho. O mercado local foi sustentado por ações de empresas ligadas a metais devido a elevação nos preços de commodities industriais. As montadoras também avançaram com esperanças de que Pequim tomará mais medidas para incentivar o setor de produção de veículos movidos a fontes mais limpas.

Além disso, os mercados chineses também estão aguardando o dado de atividade dos gerente de compras do setor industrial da China, que deve ser publicado nesta semana. O índice Shenzhen Composto ganhou 1,33%, aos 1.114,76 pontos.

Na contramão, o índice JSX Composto da Bolsa de Jacarta, na Indonésia, recuou 0,85%, para 5.083,52 pontos, antes do anúncio do resultado da eleição para presidente no país. A disputa tem sido marcada por acusações de irregularidades e os dois principais candidatos já haviam clamado vitória com base em números não oficiais de diferentes agências.

Tudo o que sabemos sobre:
Ásiabolsasmercado financeiro

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.