Bolsas asiáticas fecham em baixa

O mercado acionário chinês encerrou um rali de sete pregões nesta segunda-feira, impactado pelos planos de Pequim de adotar um sistema de seguro para depósitos bancários e pelos confrontos entre policiais e manifestantes em Hong Kong.

RENATO OSELAME, COM INFORMAÇÕES DA DOW JONES NEWSWIRES, Estadão Conteúdo

01 Dezembro 2014 | 09h33

O índice de referência da Bolsa de Xangai fechou em baixa de 0,1%, aos 2.680,16 pontos, após acumular alta de 9,5% nas últimas sete sessões. O volume financeiro caiu para 401,1 bilhões de yuans (US$ 65,3 bilhões). Já o índice Shenzhen, que acompanha empresas menores, recuou 0,6% aos 1.412,56 pontos.

Em Xangai, analistas atribuem a queda à realização dos lucros obtidos na última semana, além de um receio em relação ao projeto para o seguro de depósitos bancários, que é visto como um novo entrave aos bancos de menor porte do país. As instituições financeiras têm até o dia 30 de dezembro para comentar a nova proposta, que ainda não tem data oficial para entrar em vigor, embora autoridades afirmem que a medida poderá ser colocada em prática já em janeiro de 2015.

As preocupações dos investidores com as tensões entre manifestantes e policiais em Hong Kong também tiveram efeito negativo sobre o mercado acionário da província semiautônoma, fazendo com que o índice Hang Seng recuasse 2,58%, aos 23.367 pontos.

O mercado em Taiwan também teve um dia de perda, com o índice Taiex cedendo espaço de 0,8% aos 9.117,71 pontos. As ações do país foram impactadas pela grande derrota do partido governista Kuomintang nas eleições locais, o que levou à renúncia do gabinete de Taiwan.

A Austrália, impactada pela queda nos preços do petróleo, do cobre e de outras commodities, viu o índice S&P/ASX 200, de Sydney, cair 2% para os 5.207,7 pontos.

O índice sul-coreano Kospi também fechou o dia em terreno negativo, com recuo de 0,79% aos 1.965,22 pontos, enquanto o FTSE Straits Times, de Cingapura, caiu 1,34% aos 3.305,64 pontos. Dos principais, o índice filipino PSEi foi o único a ter alta no pregão, de 0,5%, puxado por suas blue chips, aos 7.331,73 pontos.

Mais conteúdo sobre:
Ásiabolsasmercado financeiro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.