Bolsas asiáticas fecham em baixa com questões dos EUA

Índice Xangai Composto perdeu 1,9%, para 2155,81 pontos, e o índice Shenzhen Composto cedeu 1,4%, para 1039,86 pontos

26 de setembro de 2013 | 07h13

Os mercado de ações da Ásia fecharam majoritariamente em baixa nesta quinta-feira, com temores sobre a questão fiscal norte-americana e realização de lucros na China antes de um longo feriado no país. Por outro lado, a Bolsa de Sydney conseguiu afastar as preocupações sobre os EUA e fechou em terreno positivo.

As ações na China foram alvo de realização de lucros após a euforia desencadeada pelo anúncio de uma zona de livre comércio em Xangai. Além disso, os mercados locais devem permanecer fechados a partir de terça-feira até o final da semana que vem por causa de um feriado, levando os investidores a reduzirem a exposição.

O índice Xangai Composto perdeu 1,9%, para 2155,81 pontos, e o índice Shenzhen Composto cedeu 1,4% e encerrou o pregão aos 1039,86 pontos. Em Hong Kong, o índice Hang Seng fechou em baixa de 0,4%, aos 23.125,03 pontos.

Os mercados da região também foram influenciados pelos recuos em Wall Street na quarta-feira. As bolsas de Nova York fecharam em queda, elevando a sequência de baixas dos últimos dias para cinco sessões consecutivas. O S&P 500 registrou sua queda mais longa desde dezembro do ano passado, com baixa de 1,7% em uma semana. Os índices foram pressionados pelas preocupações com a política fiscal dos EUA, que superaram dados positivos da economia norte-americana.

O Congresso norte-americano enfrenta a aproximação de dois prazos importantes em duas negociações distintas. O primeiro prazo vence em 30 de setembro - último dia do atual ano fiscal - e exige a aprovação de um projeto para financiar o governo no próximo ano. O segundo prazo diz respeito à elevação do teto da dívida, que, segundo projeções do Departamento do Tesouro dos EUA, será atingido em meados de outubro. Portanto, o Congresso precisa chegar a um acordo antes disso para elevar o teto e evitar um default da dívida norte-americana.

Outro motivo para a preocupação dos investidores é a possível redução do programa de compra de bônus do Federal Reserve. "As pessoas ainda estão coçando a cabeça, tentando descobrir por que o Fed" adiou o início da redução, disse Jiong Shao, diretor de estratégia na China Macquarie. "O que eles viram que os fez mudar de opinião?"

Muitos analistas esperavam que o BC dos EUA começaria a desacelerar as compras em setembro, contudo o Fed manteve o ritmo do programa inalterado. Por isso, agentes do mercado estão analisando com cuidado as falas das autoridades do banco.

O índice Taiwan Weighted cedeu 1,2% e fechou em 8.184,68 pontos. Já o índice PSEi, das Filipinas, recuou 0,2%, para 6.407,46 pontos. O índice Kospi, da Bolsa de Seul, teve um ganho de 0,46%, aos 2007,32 pontos.

Por outro lado, na Austrália, as empresas de mineração se beneficiaram dos preços mais fortes do minério de ferro e melhora do sentimento nos principais mercados de metais após dados econômicos positivos dos Estados Unidos - incluindo vendas de novas moradias. A BHP Billiton e a Rio Tinto subiram 1,0% e 1,6%, respectivamente. O índice S&P/ASX 200, da Bolsa de Sydney, encerrou aos 5.294,5 pontos, com alta de 0,4%. Fonte: Dow Jones Newswires.

Mais conteúdo sobre:
ÁsiaBolsas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.