Bolsas asiáticas fecham em direções divergentes

Os mercados de ações da região da Ásia e do Pacífico fecharam em direções divergentes nesta segunda-feira, depois do resultado positivo do índice de gerentes de compras (PMI) industrial da China. O sinal de melhora no setor manufatureiro chinês resultou em ganhos em Sydney e em Seul, contudo, após um impulso inicial, as bolsas de Hong Kong e Xangai sucumbiram à realização de lucros.

AE, Agência Estado

23 de junho de 2014 | 08h18

O índice dos gerentes de compras industrial da China subiu para 50,8 em junho, de 49,4 em maio, segundo números preliminares do HSBC. O resultado marcou o maior nível em sete meses e sinalizou um retorno do setor à expansão. Leituras acima de 50 indicam melhora na atividade na comparação com o mês anterior.

O índice Hang Seng, da bolsa de Hong Kong, chegou a atingir alta de 0,9% após o PMI, contudo passou a cair no decorrer da sessão e fechou em baixa de 1,68%, aos 22804,81 pontos.

As preocupações com a economia chinesa têm pesado sobre o sentimento dos investidores durante grande parte de 2014. Embora o PMI industrial tenha ajudado a amenizar esses temores, o resultado forte também reduziu as expectativas de estímulo adicionais pelo governo. Os investidores "ainda estão apático" em Hong Kong e na China no longo prazo, disse Andrew Maynard, chefe global de operações da corretora CLSA.

Com isso, o índice Xangai Composto terminou em queda de 0,11%, aos 2024,37 pontos. Já o índice Shenzhen encerrou com ganho de 1,06%, aos 1061,26 pontos.

O indicador chinês sustentou elevações nas ações em Sydney e no dólar australiano. O índice S&P/ASX 200 fechou com avanço de 0,62%, aos 5453,30 pontos, com destaque para ações de mineradoras. Os papéis da Fortescue Metals Group e da Atlas Iron avançaram 4,03% e 6,20%, respectivamente, após alta do minério de ferro à vista. Em Seul, o índice Kospi subiu 0,35%, aos 1974,92 pontos. Com informações da Dow Jones

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.