Bolsas asiáticas fecham em direções divergentes

Os índices de ações da região da Ásia e do Pacífico fecharam em direções divergentes nesta sexta-feira. Na Austrália, a Bolsa de Sydney foi alvo de uma onda de vendas no setor de energia, após a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) decidir manter a meta de produção. Por outro lado, um tom positivo permeou as ações de bancos na China, diante de especulações sobre o possível lançamento de um sistema de seguro de depósito.

AE, Estadão Conteúdo

28 de novembro de 2014 | 08h17

O cartel de 12 grandes produtores de petróleo, que bombeia coletivamente cerca de um terço da commodity do mundo, concordou na quinta-feira em se ater à meta atual de injetar 30 milhões de barris por dia, o que levou a forte perdas nos contratos futuros do ativo. A decisão sinaliza que o grupo está se preparando para lidar com preços mais baixos no longo prazo. Recentemente, a fraca demanda global e um excesso de oferta têm levado a fortes baixas nos preços.

Segundo o analista chefe de mercado da CMC Markets em Sydney, Ric Spooner, os investidores precificam agora a possibilidade de fraqueza sustentada dos preços do petróleo e de um cenário em que a capacidade de oferta pode persistir ao longo de um ou dois anos. "Não é incomum que os mercados fiquem com excesso de oferta por mais tempo do que o esperado. Consequentemente, os preços podem cair ainda mais do que muitos preveem", disse.

Na Austrália, as ações da Bolsa de Sydney terminaram em forte baixa nesta sexta-feira. O índice S&P/ASX 200 perdeu 1,63%, a 5.313,00 pontos. Na semana, houve recuo de 0,91%. Os papéis da companhia de exploração e produção de petróleo e gás Santos caíram 13,01%, enquanto os da Woodside Petroleum perderam 7,07%. Além disso, as ações da Oil Search cederam 5,90% e Origin Energy recuaram 6,99%.

A queda dos preços do petróleo também pressionou Hong Kong. O índice Hang Seng registrou baixa de 0,07%, com perda de 5,50% nas ações da Cnooc e de 3,33% nos papéis da PetroChina. Na semana, houve ganho de 0,39% no Hang Seng. Na Coreia do Sul, o índice Kospi, da Bolsa de Seul, cedeu 0,07%, a 1.980,78 pontos, nesta sexta-feira, com ganho de 0,81% na semana.

Na China continental, contudo, as bolsas fecharam em alta. Os papéis de bancos lideraram os avanços, diante de expectativas de que as autoridades do país lançarão em breve um sistema de seguro de depósito. O Wall Street Journal informou que altos funcionários no banco central do país discutiram detalhes na quinta-feira para a implementação do plano, que abriria o caminho para que mais bancos disputem livremente por depositantes.

O índice Xangai Composto avançou 1,99%, para 2.682,83 pontos, com ganho de 7,88% na semana. Outro fator de sustentação nos últimos dias foi o corte de juros no país, na semana passada. O índice Shenzhen Composto avançou 0,29%, para 1.420,32 pontos, com elevação de 3,09% na semana. Com informações da Dow Jones

Tudo o que sabemos sobre:
ÁsiaBolsas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.