Bolsas asiáticas fecham em queda

Também deixou investidores cautelosos a queda das ações em Wall Street em reação à ata do Federal Reserve, o banco central dos EUA

Marcelo Ribeiro Silva, com informações da Dow Jones Newswires,

20 de fevereiro de 2014 | 09h14

As bolsas asiáticas encerraram o pregão desta quinta-feira, 20, em queda, pressionadas pelo fraco dado preliminar de atividade industrial da China, que atingiu seu menor nível em sete meses. A queda das ações em Wall Street na sessão anterior, em reação à ata do Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA), contribuiu para que o sentimento de cautela prevalecesse entre os investidores da região. Um alerta do Fundo Monetário Internacional (FMI) sobre os problemas atuais dos países emergentes também colaborou para o movimento de baixa das bolsas.

Na China, as bolsas caíram após dados fracos de manufatura do país. As ações de petrolíferas, porém, avançaram e impediram que as perdas dos índices chineses fossem mais expressivos. O índice Xangai Composto perdeu 0,2%, a 2.138,78 pontos, enquanto o Shenzhen Composto recuou 1,6%, a 1.139,27 pontos. O Hang Seng, da Bolsa de Hong Kong, seguiu a tendência e caiu 1,19%, a 22.394,08 pontos.

O índice dos gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês) industrial da China caiu para 48,3 em fevereiro, de 49,5 em janeiro, segundo dados preliminares divulgados pelo HSBC, sinalizando que a atividade manufatureira continua se contraindo na segunda maior economia global.

Os papéis das corretoras foram os destaques negativos na China. A CITIC Securities caiu 3%, enquanto a GF Securities e a Industrial Securities recuaram 1,9% e 1,7%, respectivamente.

No início da sessão, os mercados chineses operaram em alta, com os investidores recebendo positivamente a notícia de que a Sinopec, maior empresa de refino de petróleo do país, planeja abrir sua comercialização e distribuição de operações domésticas para investidores internacionais.

As ações de petrolíferas foram beneficiadas pela decisão da Sinopec. Os papéis da companhia subiram mais de 10% neste pregão, enquanto as ações da Petrochina subiram 4,7%.

O principal índice acionário de Taiwan, o Taiex, se desvalorizou 0,61%, fechando a 8.524,62 pontos, enquanto o índice sul-coreano Kospi recuou 0,64%, a 1.930,57 pontos. Por outro lado, o filipino PSEi subiu 0,92%, a 6.352,76 pontos, sustentado pela decisão de fundos internacionais de tomarem novas posições em ações locais em função de avaliações melhores. Na Tailândia, o índice SET teve forte queda de 1,2% após o dado decepcionante da China e meio à crise política interna.

O dado manufatureiro chinês pesou também sobre o mercado australiano, que tem fortes laços comerciais com a China. Apesar dos fortes resultados corporativos domésticos, os ganhos foram praticamente apagados após a divulgação do indicador chinês. O índice S&P/ASX 200, da Bolsa de Sydney, na Austrália, subiu 0,1% e encerrou o dia a 5.412,3 pontos.

Tudo o que sabemos sobre:
bolsas de valorsÁsia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.