Bolsas asiáticas fecham em queda, exceto a da China

As realizações de lucros após os fortes ganhos da semana passada derrubaram as bolsas asiáticas hoje. Em Hong Kong, o índice Hang Seng caiu 0,4% e pode perder ainda mais pontos esta semana, antes do feriado do Ano Novo chinês, segundo analistas. China Mobile, que terá seu peso reduzido em uma reformulação do índice, recuou 1,6%. Papéis de empresas do setor imobiliário também caíram, em meio à preocupação com possíveis atrasos nos cortes de juros dos EUA. Contrariando a tendência da região, a Bolsa de Xangai, na China, teve forte alta, devido à procura por ações de primeira linha com preço baixo. Mas os analistas não vêem muito espaço para ganhos adicionais neste período que antecede o feriado do Ano Novo chinês, quando os investidores evitam tomar grandes posições. O índice Xangai Composto fechou com alta de 2,8% e o Shenzhen Composto, de 3,1%. O mercado acionário da China não funciona na semana que vem. China Minsheng Banking aumentou 5,7%, China United Telecommunications subiu 5,1% e China Petroleum & Chemical, mais conhecida como Sinopec, ganhou 4,8%. A reunião das autoridades do G-7 (grupo dos países mais ricos do mundo) no fim de semana não conseguiu puxar para cima a cotação do iene diante do dólar. A valorização da moeda norte-americana nesta segunda-feira acabou se refletindo no mercado cambial chinês, onde o yuan também fechou em queda. Os operadores disseram, porém, que a alta do dólar deve ser limitada nas próximas sessões, parcialmente devido ao abandono de posições compradas, tendo em vista a aproximação do feriado. No mercado de balcão, às 5h40 (horário de Brasília), o dólar subia para 7,7570 yuan, de 7,7476 yuan no fechamento de sexta-feira. No sistema automático de preços, às 5h20, a cotação da moeda norte-americana aumentava para 7,7560 yuan, contra 7,7450 no encerramento de sexta-feira. A Bolsa de Taipé, em Taiwan, encerrou em baixa, liderada pelas empresas de turismo e de transportes. O índice Taiwan Weighted recuou 1,1%. As empresas de turismo foram o maior alvo das realizações de lucros, devido à sobrevalorização desses papéis. Formosa International Hotels caiu 5,9% e Ambassador Hotel declinou 2,2%. Já o setor de transporte foi afetado pela notícia de um aumento nas taxas de embarque marítimo, acompanhando a decisão da China. As ações da China Airlines perderam 3,7%. Em Seul, na Coréia do Sul, a bolsa também fechou em queda, com as realizações de lucros em setores que recentemente tiveram altas significativas, como bancos e empresas de tecnologia. O índice Kospi perdeu 0,9%. Os papéis do Kookmin Bank baixaram 2%. Samsung Electronics caiu 2,2%, seguindo a queda do setor nos EUA. LG.Philips subiu 2% após divulgar um plano de expansão da sua capacidade de produção. LG.Electronics avançou 1,9%, refletindo o otimismo dos analistas em relação aos negócios com telefones celulares no segundo trimestre. Na Bolsa de Manila, nas Filipinas, o índice PSE Composto declinou 0,4%, fechando aos 3.234,16 pontos, pressionado pelas realizações de lucros que se seguiram à alta de 1,6% na sexta-feira. A ação mais negociada, da Philippine Long Distance Telephone (PLDT), caiu 1,2%, prejudicada pelas preocupações a respeito de seus resultados no ano passado, depois que a rival Globe Telecom divulgou um balanço decepcionante. Filinvest Land recuou 3,3%. O índice S&P/ASX 200 da Bolsa de Sydney, na Austrália, fechou com uma pequena baixa de 0,05%. Todos os setores tiveram perdas, com exceção das empresas de matéria-prima, energia e serviços públicos. No lado positivo, destacou-se a BHP Billiton, que subiu 1,9%. Os papéis da mineradora foram ajudados pelo fim da estrutura de dupla listagem na bolsa (onde algumas ações da BHP carregavam benefícios fiscais) e pelo aumento de 32% nas importações de minério de ferro feitas pela China nos 12 meses até janeiro. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.