Bolsas asiáticas fecham majoritariamente em alta

Principal índice acionário da China, o Xangai Composto, ganhou 0,2% e o Shenzhen Composto, que acompanha empresas menores, 0,4%

Sergio Caldas, da Agência Estado,

20 de maio de 2014 | 08h36

As bolsas na região da Ásia e do Pacífico fecharam majoritariamente em alta nesta terça-feira, mas preocupações políticas causaram fortes perdas em alguns mercados do sudeste asiático, como os da Tailândia e Indonésia.

Na China, o dia foi positivo para as ações, que reagiram à notícia de que reguladores locais pretendem aprovar menos ofertas públicas iniciais (IPOs) do que se previa nos próximos meses. Nas últimas semanas, as bolsas chinesas ficaram pressionadas diante da perspectiva do lançamento de um volume muito grande de ações novas no mercado doméstico.

O principal índice acionário da China, o Xangai Composto, encerrou o dia em alta de 0,2%, a 2.008,12 pontos. O Shenzhen Composto, que acompanha empresas menores, subiu 0,4%, a 1.018,50 pontos.

O presidente da Comissão Reguladora de Ativos Mobiliários da China (CSRC, na sigla em inglês), Xiao Gang, disse que planeja aprovar cerca de 100 IPOs entre junho e o fim do ano, em um "ritmo equilibrado", segundo o jornal local Economic Information Daily.

"Havia expectativas de que seriam 30 novas listagens por mês, mas o anúncio cortou isso pela metade", comentou Tang Yonggang, analista da Hongyuan Securities.

Entre as ações negociadas na China, as petrolíferas se destacaram, em meio a uma busca dos investidores por barganhas. Enquanto PetroChina subiu 0,5%, Sinopec avançou 0,2%.

Em Hong Kong, o índice Hang Seng registrou alta de 0,6%, a 22.834,78 pontos, impulsionado por ações de telecomunicações e tecnologia. O segundo maior componente do índice, a Tencent Holdings, disparou 4% após rumores de que a China pode emitir novas licenças para loterias online ligadas à Copa do Mundo.

Entre bolsas menores da Ásia, o índice filipino PSEi, de Manila, subiu 0,2%, a 6.882,73 pontos, e o Straits Times, de Cingapura, teve alta marginal de 0,09%, a 3.265,47 pontos, enquanto o índice sul-coreano Kospi caiu 0,19%, a 2.011,26 pontos.

Os destaques de baixa do dia, porém, foram no sudeste da Ásia. Na Bolsa de Bangcoc, o índice SET fechou em queda de 1,1%, após o Exército da Tailândia decretar a lei marcial no país. Já na Indonésia, o índice JSX encerrou a sessão com forte recuo de 2,4%, após uma aliança política entre os principais partidos políticos do país e o candidato presidencial Prabowo Subianto aumentar as chances de uma disputa apertada nas eleições locais.

Na Oceania, o mercado australiano fechou em alta, revertendo perdas vistas ao longo da sessão. O índice S&P/ASX 200, da Bolsa de Sydney, subiu 0,2%, a 5.420,40 pontos, após chegar a recuar a 5.384,40 pontos, seu menor nível em cinco semanas. A Fortescue contribuiu para a reviravolta, com suas ações saltando 3,9% após a mineradora elevar a estimativa para suas reservas de minério de ferro em 1,16 bilhão de toneladas e apesar de o preço do minério ter atingido hoje uma nova mínima em 20 meses no mercado à vista da China. Com informações da Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
Ásiabolsas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.