Bolsas asiáticas fecham mistas de olho na Ucrânia

As bolsas asiáticas encerraram o pregão desta segunda-feira sem direção única, com algumas delas pressionadas pela escalada das tensões na Ucrânia. No final de semana, confrontos entre forças ucranianas e manifestantes pró-Moscou causaram pelo menos uma morte. Por outro lado, o anúncio da venda de um projeto de cobre da Glencore Xtrata no Peru a um consórcio chinês liderado pela MMG contribuiu para que alguns índices acionários da Ásia se sustentassem em campo positivo.

MARCELO RIBEIRO SILVA, Agencia Estado

14 de abril de 2014 | 08h33

Na China, os papéis fecharam perto da estabilidade, com os investidores divididos entre a preocupação com a desaceleração econômica do país e o entusiasmo com a decisão de abrir ainda mais o mercado de ações para investidores estrangeiros. Os participantes do mercado aguardam o Produto Interno Bruto (PIB) chinês do primeiro trimestre, que será divulgado na quarta-feira e deve influenciar o sentimento dos investidores após dados fracos de exportação e importação.

Na semana passada, o primeiro-ministro chinês, Li Keqiang, afirmou que o governo continuará a abrir os mercados de capitais, o que inclui estabelecer acesso mútuo aos mercados de Hong Kong e de Xangai.

O índice Xangai Composto terminou a sessão de hoje em alta de 0,05%, a 2.231,81 pontos, após registrar ganho de 3,48% na semana passada. O índice Shenzhen Composto subiu 0,58%, a 1.094,41 pontos.

Mesmo diante da expectativa de desaceleração na China, o índice Hang Seng, de Hong Kong, subiu 0,15%, fechando a 23.038,80 pontos. A alta foi impulsionada pela venda do projeto de cobre Las Bambas Peruvian, no Peru, pela Glencore Xstrata a um consórcio chinês encabeçado pela MMG, uma unidade da estatal China Minmetals. Com isso, as ações da MMG subiram 8,9%. De acordo com o Barclays, o acordo pode conduzir a MMG à lista de 15 maiores mineradoras do mundo e à posição de maior mineradora de cobre da Ásia.

O mercado nas Filipinas encerrou o dia no vermelho, em meio à preocupação com o enfraquecimento da segunda maior economia global. O índice PSEi, da Bolsa de Manila, recuou 0,11%, a 6.589,55 pontos. Na Tailândia, o índice SET perdeu 0,03%, a 1.389,16 pontos. O pessimismo também prevaleceu entre os investidores da Coreia do Sul e o índice Kospi caiu 0,02% na Bolsa de Seul, a 1.997,02 pontos.

Na região do Pacífico, os temores com a situação na Ucrânia e a nova baixa das ações de tecnologia dos EUA, na sexta-feira, determinou o tom negativo do mercado australiano. O índice S&P/ASX 200, da Bolsa de Sydney, perdeu 1,28%, a 5.358,90 pontos, seu menor nível desde 14 de março. Com informações da Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
ásiabolsas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.