Bolsas asiáticas fecham sem direção definida

Índice Xangai fechou sem grandes alterações sobre o último pregão enquanto o índice Shenzhen subiu 0,9%

29 de novembro de 2013 | 07h17

Os mercados acionários da Ásia encerraram o último pregão do mês sem direção única. Enquanto as bolsas nos EUA permaneceram fechadas ontem e irão operar em período reduzido hoje, impactando negativamente os volumes negociados, investidores aproveitaram para realizar lucros ou buscar por ações baratas nos mercados asiáticos.

Na China, o índice Xangai fechou sem grandes alterações sobre o último pregão, aos 2.220,50 pontos, enquanto o índice Shenzhen subiu 0,9% e alcançou 1.089,60 pontos. O índice Xangai registrou alta de 1,1% em novembro.

"No curto prazo, nós estamos olhando para um movimento de consolidação enquanto nos aproximamos do fim do mês", afirmou Zhang Yuheng, analista na Capital Securities. "O índice pode subir em alguns dias, mas não ganhará muita força e provavelmente alternará entre perdas e ganhos", afirmou.

Para o analista Zeng Xiaozhao, da Everbright Securities, o mercado não está se movimentando muito porque as recentes reformas anunciadas pelo governo ainda estão no plano das expectativas. "Há notícias sobre o regulador acionário pedindo por reformas para as ações de blue chips, mas até mesmo isso já tem sido falado há um tempo", lembrou.

Os investidores também adotaram uma postura de cautela antes dos dados oficiais do índice dos gerentes de compras (PMI) industrial da China, que será divulgado no domingo.

As ações no setor defensivo novamente registraram ganhos, na expectativa por gastos mais intensos no setor. Também durante o pregão o governo enviou caças ao Mar do Leste da China, onde o país reclama um conjunto de ilhas controladas pelo Japão, que conta com o apoio dos EUA. As ações da Aerospace Communications Holdings avançaram 3,1%, as da Hafei Aviation Industry subiram 3,8% e as da Shaanxi Aero-space Power Hi-Tech Co. Alcançaram o limite diário de valorização de 10,0%.

O índice Hang Seng, em Hong Kong, deu sequência aos ganhos recentes e avançou 0,4% e atingiu os 23.835,58 pontos, no maior nível de fechamento desde abril de 2011. Para o diretor de asset-management da Ample Capital, Alex Wong, os investidores estão ganhando algum interesse na história de recuperação da China.

Nas Filipinas, o índice PSEi encerrou em alta de 0,6%, aos 6.208,82 pontos, na busca dos investidores por ações baratas, enquanto o Taiwan Weighted subiu 0,5%, para 9.406,83 pontos, e o Kospi, na Coreia do Sul, encerrou na estabilidade, com 2.044,87 pontos.

Na Austrália o índice S&P/ASX 200 caiu 0,3% e marcou 5.320,0 pontos, na mínima de uma semana. A maioria dos setores sucumbiu à realização de lucros em um pregão pouco movimentado por conta do feriado nos EUA. O índice encerrou o mês com perdas de 1,9%, no primeiro recuo desde junho.

Todos os setores, exceto de recursos naturais, registraram perdas. As ações da Rio Tinto registraram alta de 2,6% depois de anunciar planos para gastar US$ 2 bilhões e aumentar a produção anual de minério de ferro na Austrália em cerca de 25%.

As ações da GrainCorp chamaram atenção pelas perdas de 22%, depois de Secretário do Tesouro, Joe Hockey, vetar a oferta de A$3 bilhões da Archer Daniels por 19,9% da companhia. "A Austrália se declarou aberta para negócios, e isso é o contrário", disse o economista-chefe da AMP Capital, Shane Oliver. No entanto, ele afirmou que o país deverá analisar as propostas caso a caso, portanto sem impactos no sentimento geral. Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
Ásiabolsas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.