Bolsas asiáticas fecham sem direção única

As ações chinesas encerraram em baixa pela quarta sessão consecutiva nesta terça-feira, uma vez que a realização de lucros nas ações que ganharam força na segunda-feira, com a conexão entras as bolsas de Xangai e Hong Kong, dominou o mercado. O entusiasmo com a possibilidade de negociação entre os mercados acionários foi mais modesto na sessão de hoje.

LEDA SAMARA, Estadão Conteúdo

18 de novembro de 2014 | 08h56

Os bancos e as corretoras continuaram perdendo força para realização de lucros no segundo dia da parceria Xangai-Hong Kong. "Os investidores estão avaliando o início das operações entre as bolsas como um evento de curto prazo e optam pela realização de lucros", disse o chefe de investimentos da Hong Yuan Securities, Tang Yonggang, adicionando que, na verdade, o mercado deveria reavaliar o impacto da conexão no longo prazo.

O índice Xangai Composto encerrou em queda de 0,71% aos 2.456,37, acumulando 1,5% em perdas nas últimas quatro sessões. O volume de negócios caiu para 174,7 bilhões de yuans. O índice Shenzhen, que acompanha empresas chinesas menores, avançou 0,2% aos 1.338,09 pontos.

O índice Hang Seng, da Bolsa de Hong Kong, recuou 1,13%, aos 23.529,17 pontos, também influenciado pelas crescentes preocupações com a retomada dos protestos pró-democracia na região.

A onda de vendas na China se intensificou após a divulgação dos dados sobre os preços das moradias, que caíram pelo sexto mês consecutivo em outubro. No mês passado, o valor médio das novas moradias recuou 0,8% ante setembro. Por outro lado, a China atraiu em outubro um total de US$ 8,53 bilhões de investimentos estrangeiros diretos, uma alta de 1,3% em relação a igual mês do ano passado

Em outros mercados asiáticos, o índice Taiex, do mercado taiwanês, fechou em queda de 0,28%, aos 8.859,07 pontos, em meio a persistentes incertezas sobre as eleições locais na próxima semana. O índice filipino PSEi avançou 0,64%, aos 7.275,66 pontos, o sul-coreano Kospi ganhou 1,2%, aos 1.967,01 pontos, e o FTSE Straits Times, de Cingapura, subiu 0,76%, aos 3.313,73 pontos. Na Oceania, a Bolsa de Sydney recuou 0,24% aos 5.399,70 pontos.

Permearam os negócios na Ásia as expectativas sobre o pronunciamento do primeiro-ministro do Japão Shinzo Abe, que acabou confirmando há pouco o adiamento de um novo aumento do imposto sobre vendas, anteriormente previsto para outubro de 2015, para abril 2017, e a antecipação das eleições parlamentares. (Com informações da Dow Jones Newswires)

Tudo o que sabemos sobre:
ÁsiaBolsas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.