Bolsas asiáticas fecham sem direção única

As ações chinesas encerraram a quinta-feira próximas a estabilidade com investidores reavaliando suas posições após cinco sessões consecutivas de queda, enquanto o entusiasmo com a plataforma de conexão entre as bolsas de Xangai e Hong Kong permaneceu morno, com apenas 18% da cota diária de US$ 2,1 bilhões sendo usada pelos investidores externos no mercado continental.

LEDA SAMARA, Estadão Conteúdo

20 de novembro de 2014 | 08h53

O mercado de ações encontrou estabilização apesar dos dados mais fracos da indústria chinesa divulgados hoje. A leitura preliminar do índice dos gerentes de compras industrial (PMI, na sigla em inglês), medido pelo HSBC, caiu para 50,0 em novembro, de 50,4 em outubro. "A leitura mista para novembro indica que o ritmo de crescimento pode ter, na melhor das hipóteses, se estabilizado, apesar das medidas adicionais de estímulo", avaliou a Nomura.

O índice de referência Xangai Composto encerrou em leve alta de 0,1%, aos 2.452,26 pontos, após recuar 1,8% nas últimas cinco sessões. O volume de negócios caiu para 150,8 bilhões de yuans. O índice Shenzhen, que acompanha empresas menores, perdeu 0,2%, a 1.344,57 pontos.

Também pressionado pela falta de apetite dos investidores chineses e pelos números mais fracos da indústria do país, o índice Hang Seng, da bolsa de Hong Kong, recuou 0,10%, fechando aos 23.349,64 pontos.

"Os investidores parecem estar tentando estimar um nível sustentável de negociação no programa de conexão entre as bolsas de Hong Kong e Xangai", disse a Shenyin & Wanguo Securities. No entanto, os analistas não perderam a sua confiança no mercado de ações, citando a ampla liquidez e políticas do governo favoráveis ao mercado, incluindo a contínua reforma nas empresas estatais.

Em outros mercados asiáticos, o índice Taiex, do mercado taiwanês, fechou em alta de 1,3%, aos 9.078,87 pontos, o nível mais alto em seis semanas. O índice filipino PSEi recuou 0,01%, aos 7.268,95 pontos, o sul-coreano Kospi perdeu 0,45%, aos 1.958,04 pontos, e o FTSE Straits Times, de Cingapura, caiu 0,57%, aos 3.315,60 pontos.

Na Oceania, as ações da Austrália recuaram pelo quarto pregão consecutivo. O índice S&P/ASX 200, da Bolsa de Sydney, caiu 0,98%, aos 5.316,20 pontos. A queda persistente nos preços do minério de ferro pressionaram os papéis das mineradoras australianas, que registraram perdas acentuadas na sessão de hoje. Fortescue Metals recuou 3,65%, Rio Tinto caiu 2,71% e BHP Billiton teve retração de 2,66%.(Com informações de Dow Jones Newswires)

Tudo o que sabemos sobre:
ÁsiaBolsas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.