Bolsas asiáticas fecham sem direção única

Setor imobiliário da China e índices acionários de Nova York dividiram as preocupações de investidores

Marcelo Ribeiro Silva, da Agência Estado, com informações da Dow Jones Newswires,

25 de fevereiro de 2014 | 08h16

As bolsas asiáticas encerraram o pregão desta terça-feira sem direção única, com os investidores divididos entre as preocupações com o setor imobiliário da China e o bom desempenho dos índices acionários de Nova York.

Na China, as bolsas fecharam em queda, refletindo as preocupações em relação aos limites de crédito para o setor imobiliário. O ambiente apertado de liquidez também contribuiu para o pessimismo dos investidores do país. O índice Xangai Composto, que entrou em uma tendência negativa desde que atingiu a máxima do ano em 19 de fevereiro, perdeu 2%, a 2.034,22 pontos. Já o Shenzhen Composto despencou 4%, a 1.089,22 pontos.

Além da liquidez do mercado, o baixo volume de negociação também teria contribuído para a queda das bolsas chinesas. Os investidores continuam digerindo a notícia de que o Industrial Bank apertou as condições de empréstimos para o setor imobiliário e indústrias relacionadas. Entre as ações, o China Vanke caiu 1,8% e o Poly Real Estate Group perdeu 1,3%.

O Hang Seng, da Bolsa de Hong Kong, cedeu 0,3%, a 22.317,20 pontos, pressionado pelas ações do HSBC, que recuaram após os resultados trimestrais aquém das expectativas divulgados ontem, após o fechamento do mercado. Os papéis do banco caíram 2,7%.

O bom desempenho das ações norte-americanas, com o índice S&P 500 fechando ontem pouco abaixo de seu recorde de 1.848,38 pontos registrado em 15 de janeiro, determinou o otimismo entre outros investidores da região. Além da alta da Bolsa de Tóquio, o índice sul-coreano, Kospi, avançou 0,8%, a 1.964,86 pontos, enquanto o principal índice acionário de Taiwan, o Taiex, subiu 0,18%, a 8.575,62 pontos.

Após registrar um forte desempenho nas últimas três semanas, o índice S&P/ASX 200, da Bolsa de Sydney, na Austrália, recuou 0,12%, a 5.433,84 pontos, com os investidores pessimistas em relação às restrições de crédito ao mercado imobiliário chinês. Os papéis da Atlas Iron encerraram em queda de 2,3%, pressionados por realização de lucros, após os resultados trimestrais da companhia. (Marcelo Ribeiro Silva, com informações da Dow Jones Newswires - marcelo.silva@estadao.com)

Tudo o que sabemos sobre:
ásiabolsas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.