Bolsas asiáticas recuam com conexão Xangai-Hong Kong

As bolsas de Xangai e Hong Kong encerraram a segunda-feira em queda, no primeiro dia de conexão entre os dois mercados acionários, uma vez que a realização de lucros entre investidores do continente chinês superou os novos fluxos de investimento estrangeiro. Os mercados também receberam com surpresa a notícia de que a economia do Japão entrou em recessão técnica no terceiro trimestre.

LEDA SAMARA, Estadão Conteúdo

17 de novembro de 2014 | 09h18

O programa de conexão entre as bolsas de Xangai e Hong Kong operou pela primeira vez nesta segunda-feira, abrindo o mercado do continente chinês para o capital global. A parceria permite que investidores internacionais comprem ações negociadas em Xangai e também garante aos investidores chineses acesso às empresas listadas na bolsa de Hong Kong.

O capital estrangeiro mostrou apetite mais forte para as ações denominadas em yuan negociadas em Xangai, com quase metade da cota diária sendo usada hoje. Por outro lado, os investidores chineses tiveram uma abordagem mais comedida para negociar em Hong Kong, usando apenas 18% da cota diária.

O índice de referência Xangai Composto recuou 0,19% aos 2.474,01 pontos, marcando a terceira sessão consecutiva de queda. O volume de negócios aumentou para 199,3 bilhões de yuans. O índice Hang Seng, de Hong Kong, caiu 1,21%, a 23.797,08 pontos. O índice Shenzhen Composto, que acompanha empresas menores da China, subiu 0,99%, para 1.335,73 pontos.

Também permeou os negócios de hoje a inesperada retração na economia do Japão, a segunda consecutiva na comparação trimestral, que levou o país a entrar em recessão técnica. Entre julho e setembro, o PIB japonês encolheu 0,4% ante os três meses anteriores, depois de recuar 1,9% no segundo trimestre na mesma comparação.

Além disso, a economia do Japão teve queda anualizada de 1,6% no terceiro trimestre. As previsões de analistas eram de alta de 0,5% na comparação trimestral e de ganho de 2,25% no confronto anual. O índice Nikkei, da Bolsa de Tóquio, encerrou em forte baixa, de 2,96%, aos 16.973,80 pontos.

Entre outras bolsas asiáticas, o índice Taiex, do mercado taiwanês, fechou em queda de 1,1%, aos 8.884,39 pontos, influenciado pelo apetite dos investidores para as ações do continente chinês aumentado pela conexão entre as bolsas de Xangai e Hong Kong. O índice sul-coreano Kospi recuou 0,08%, aos 1.943,63 pontos, e o FTSE Straits Times, de Cingapura, caiu 0,81%, a 3.288,67 pontos. O filipino PSEi, por outro lado, ganhou 0,17% na sessão de hoje, encerrando aos 7.229,72 pontos.

Na Oceania, ações do índice S&P ASX 200, da Bolsa de Sydney, fecharam em queda de 0,77%, aos 5.412,50 pontos. Austrália e China anunciaram nesta segunda-feira, um acordo que promete estreitar as relações comerciais entre o países, que já são dois grandes parceiros. Um ponto chave da parceria, que deve entrar em vigor no prazo de cinco meses, é uma abertura mútua dos mercados financeiros que poderia contribuir para uma internacionalização da moeda chinesa, o yuan. (Com informações da Dow Jones Newswires)

Tudo o que sabemos sobre:
ÁsiaBolsas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.