Bolsas asiáticas registram sólidos ganhos em fevereiro

Investidores reagiram positivamente às declarações da presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA), Janet Yellen

Marcelo Ribeiro Silva, da Agência Estado, com informações da Dow Jones Newswires,

28 de fevereiro de 2014 | 09h13

As bolsas asiáticas encerraram em alta nesta sexta-feira e registraram sólidos ganhos em fevereiro, se recuperando das perdas vistas no primeiro mês de 2014. A sessão foi marcada pela reação positiva dos investidores às declarações da presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA), Janet Yellen, e pela queda acentuada do yuan.

A moeda chinesa encerrou a sessão de dia no menor nível em 8 meses frente ao dólar. O yuan esteve no foco dos investidores ao longo da semana por ter invertido sua tendência de valorização de longo prazo, em meio a sinais de que o Banco do Povo da China (PBoC, o banco central chinês) está se preparando para permitir que a moeda seja negociada mais livremente.

Os investidores receberam positivamente declarações feitas ontem por Yellen sinalizando que o Fed pode reduzir o ritmo da redução do seu programa de compra de ativos se a perspectiva econômica dos EUA continuar se deteriorando.

A atenção agora vai ser voltar para dados manufatureiros da China, que serão divulgados hoje à noite. De acordo com a previsão dos analistas, o índice de gerente de compras (PMI) oficial do setor industrial chinês ficou acima da marca de 50 - que sugere expansão da atividade - em fevereiro. O PMI industrial preliminar medido pelo HSBC recuou para 48,3 neste mês.

Na China, o índice Xangai Composto encerrou a última sessão do mês em alta, mas recuou no acumulado da semana diante da cautela dos investidores com a queda do yuan. O índice Xangai Composto subiu 0,44%, a 2.047,35 pontos. O Shenzhen Composto avançou 1,43%, a 1.090,87 pontos. Entre as ações, a China Vanke subiu 1,9%.

O Hang Seng, da Bolsa de Hong Kong, fechou em alta de 0,04%, a 22.836,96 pontos. O índice sul-coreano, Kospi, avançou 0,08%, a 1.979,99 pontos, enquanto o PSEi, da Bolsa de Manila, nas Filipinas, subiu 1,10%, para 6.424,99 pontos.

O índice S&P/ASX 200, da Bolsa de Sydney, na Austrália, recuou 0,1% e encerrou a 5.405,80 pontos. Entre as ações, destaque para a Woolworths, que subiu 1%, após a maior varejista do país anunciar que seu lucro líquido aumentou 15% no primeiro semestre fiscal.

Fevereiro

Até ontem, o índice MSCI, que reúne as principais ações da região Ásia-Pacífico, com exceção do Japão, subiu 2,6% em fevereiro, se recuperando das quedas no mês anterior que refletiram preocupações com os mercados emergentes, incluindo a China e a Turquia. Embora a tensão continue em função da incerteza política na Ucrânia e da queda acentuada do yuan, as preocupações parecem ter diminuído nos mercados.

A Bolsa de Sidney avançou 4,1% em fevereiro, depois de ter caído 3% no primeiro mês do ano. Além de seguir o otimismo dos investidores norte-americanos, a forte temporada de balanços locais ajudou o índice S&P/ASX 200 a se recuperar.

O índice de Hong Kong avançou 3,6% no segundo mês do ano, após queda de 5,5% em janeiro, enquanto o Kospi avançou 2% neste mês.

Tudo o que sabemos sobre:
ásiabolsas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.