Bolsas asiáticas sobem à espera de estímulos do BCE

A maioria das bolsas asiáticas encerrou o pregão desta quarta-feira em alta, com os investidores reagindo à melhora de indicadores econômicos dos Estados Unidos, que contribuíram para o fechamento positivo das ações em Nova York ontem, e diante da expectativa de novas medidas de estímulo do Banco Central Europeu (BCE). Também contribuiu para o avanço dos mercados asiáticos sinais de que as tensões na Ucrânia estão diminuindo.

MARCELO RIBEIRO SILVA, COM INFORMAÇÕES DA DOW JONES NEWSWIRES, Agencia Estado

26 de março de 2014 | 08h30

O índice de confiança do consumidor dos EUA, divulgado ontem pelo Conference Board, subiu neste mês para 82,3, atingindo o maior nível desde janeiro de 2008. O indicador impulsionou os ganhos iniciais das bolsas asiáticas no início do pregão. O índice MSCI, que acompanha as bolsas da região da Ásia Pacífico, exceto a do Japão, cravou a quarta alta consecutiva, garantindo a maior sequência de ganhos desde outubro. O índice subiu 1,1% e atingiu o maior nível desde 11 de março.

Além disso, os investidores estão cada vez mais confiantes que a China pode anunciar novas medidas de estímulo para deter a desaceleração da economia. Também contribuiu para que o otimismo prevalecesse comentários de Jens Weidmann, membro do conselho diretor do BCE, apoiando a possível adoção de medidas adicionais de relaxamento na zona do euro.

Na China, as bolsas fecharam sem direção única, com alguns investidores adotando um comportamento cauteloso em função dos recentes ganhos vistos nas últimas sessões. O índice Xangai Composto recuou 0,18%, a 2.063,67 pontos, enquanto o Shenzhen Composto ganhou 0,51%, a 1.088,86 pontos.

A Bolsa de Hong Kong acompanhou outros mercados asiáticos e subiu, apagando as perdas da sessão anterior causadas por temores sobre problemas crescentes nos mercados de crédito corporativo. O índice Hang Seng subiu 0,72%, a 21.887,75 pontos. Entre os demais índices da região, o sul-coreano, Kospi, avançou 1,19%, a 1.964,31 pontos, com a expectativa de que os gastos do governo aumentem para acelerar o crescimento, enquanto o PSEi, da Bolsa de Manila, nas Filipinas, ganhou 0,19%, a 6.348,50 pontos.

Na região do Pacífico, a Bolsa da Austrália também fechou em terreno positivo, em reação às ações de empresas de mineração, que se recuperaram de perdas recentes em meio à expectativa de que novas medidas de estímulo sejam anunciadas na China. O índice S&P/ASX 200, da Bolsa de Sydney, ganhou 0,75%, a 5.376,80 pontos. Os papéis da BHP Billiton subiram 1,75%, enquanto os da Rio Tinto avançaram 2,07%.

Tudo o que sabemos sobre:
ásiabolsas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.