Bolsas asiáticas sobem com injeção de fundos do PBoC

As bolsas asiáticas fecharam em alta nesta quarta-feira, após notícias sobre uma decisão do Banco do Povo da China (PBoC, o BC chinês) de injetar liquidez em grandes bancos estatais ajudarem a diminuir preocupações sobre a segunda maior economia do mundo. A cautela com o resultado da reunião de política monetária do Federal Reserve, porém, acabou pressionando o mercado acionário na Austrália.

SERGIO CALDAS, Estadão Conteúdo

17 de setembro de 2014 | 08h12

O PBoC está injetando 500 bilhões de yuans (US$ 81 bilhões) nos cinco maiores bancos chineses numa tentativa de conter uma desaceleração econômica mais forte que a esperada, segundo um executivo do setor bancário local. O tamanho da injeção, que será na forma de empréstimos de três meses a juros baixos, é semelhante a um corte de 0,5 ponto porcentual no montante de fundos que os bancos comerciais da China são obrigados a deixar parado no PBoC.

A medida vem após uma série recente de indicadores fracos da China, incluindo sobre produção industrial e investimentos estrangeiros diretos.

O índice Xangai Composto, o principal da China continental, encerrou a sessão com ganho de 0,49%, a 2.307,89 pontos, após a queda de 1,8% verificada ontem. O Shenzhen Composto, que acompanha empresas chinesas menores, avançou 0,7%, a 1.271,34 pontos.

Em Hong Kong, a reação do Hang Seng à decisão do PBoC foi ainda mais expressiva e o índice saltou 1%, a 24.376,41 pontos, após acumular perdas por nove sessões consecutivas. Os cinco bancos que deverão receber 100 bilhões de yuans, cada, do PBoC - Industrial & Commercial Bank of China, China Construction Bank, Agricultural Bank of China, Bank of China e Bank of Communications - subiram mais de 1,7% em Hong Kong. Na bolsa de Taiwan, o Taiex subiu 0,7%, a 9.195,17 pontos.

Entre mercados asiáticos menores, o índice sul-coreano Kospi avançou 0,96%, a 2.062,61 pontos, enquanto o filipino PSEi ganhou 0,7%, a 7.231,84 pontos, e o FTSE Straits Times, de Cingapura, subiu 0,73%, a 3.296,48 pontos.

Com a notícia do PBoC, perdeu força o clima de cautela que prevaleceu na Ásia nos últimos dias em meio às incertezas sobre o futuro da política monetária dos EUA. Mais tarde, às 15h (de Brasília), o Fed - como é conhecido o banco central norte-americano - anuncia sua decisão de política monetária e, segundo parte dos analistas, a instituição pode sinalizar um aumento antecipado das taxas de juros nos EUA.

A perspectiva de aperto monetário dos EUA, no entanto, continuou pesando no mercado australiano. O índice S&P/ASX 200, das ações mais negociadas na Bolsa de Sydney, recuou 0,7%, a 5.407,30 pontos, o menor nível em dois meses e meio. No setor minerador, por outro lado, a decisão do PBoC ajudou a BHP Billiton a subir 0,3%. Com informações da Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
Ásiabolsas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.