Bolsas da Ásia caem pessimistas com abismo fiscal

Otimismo diminui depois que legisladores republicanos cancelaram votação de plano de redução de déficit nos EUA

LUCAS HIRATA, Agencia Estado

21 de dezembro de 2012 | 09h33

Os mercados de ações da Ásia fecharam em baixa à medida que o otimismo sobre a resolução do abismo fiscal nos EUA diminuiu depois que os legisladores republicanos cancelaram a votação de um plano de redução de déficit. As bolsas da região recuaram após os republicanos da Câmara dos Representantes cancelarem, nesta quinta-feira (20), a votação do "plano B" de John Boehner, que tinha como objetivo estender corte de impostos sobre cidadãos com renda de até US$ 1 milhão. Eles alegaram que o partido não tinha votos suficientes para aprovar o projeto.

Em Taiwan, a Bolsa de Valores de Taipé atingiu sua mínima em aproximadamente três semanas, com o índice Taiwan Weighted recuando 0,99%, para 7.519,93 pontos. As blue chips foram as que mais perderam nesse pregão. As ações da Hon Hai caíram 1,3%. A TSMC perdeu 1,3% e a TPK recuou 1,4%.

Em Hong Kong, o índice Hang Seng caiu 0,7%, para 22.506,29 pontos. Na Austrália, a Bolsa de Sydney fechou com queda no índice S&P/ASX de 0,23%, para 4.623,58 pontos. As ações da BHP Billiton e da Rio Tinto recuaram 0,9%, enquanto que Fortescue Metals Group perdeu 2,7%.

Na Coreia do Sul, a Bolsa de Seul terminou o pregão em baixa, com a realização de lucros interrompendo dois pregões de ganhos. O índice Kospi perdeu 0,95%, para 1.980,42 pontos. As ações de blue chips, incluindo a Samsung Electronics e a siderúrgica Posco, conduziram as quedas. Os papéis da Samsung Electronics caíram 4,1% e os da Posco recuaram 1,3%.

As bolsas da China fecharam em baixa pressionadas pela queda dos papéis de grandes bancos. O índice Xangai Composto recuou 0,7%, para 2.153,31 pontos, depois de chegar à máxima de 1,0%, aos 2.190,40 pontos, o maior nível desde 19 de julho, quando atingiu 2.197,79 pontos. Na semana, o Xangai Composto teve leve alta de 0,1%. O índice Shenzhen Composto também subiu ao fim do pregão desta sexta-feira, com acréscimo de 0,3%, para 829,64 pontos.

"O maior condutor do avanço recente na China foram os papéis dos banco. Mas agora o setor encontrou grande resistência após o rali dos últimos dias, assim o mercado mais amplo está preso em uma consolidação", disse o analista Wang Weijun, da Zheshang Securities. Os papéis da China Minsheng Bank recuaram 1,4%, mas registraram alta de 21% no mês. Hua Xia Bank perdeu 1,3%, com ganho de 18% no mês.

O mercado de ações de Manila, nas Filipinas foi o único a terminar o pregão em alta, fechando próximo à máxima história de 5.831 pontos, atingida quando a agência de classificação de risco Standard & Poor''s decidiu elevar a perspectiva do rating do crédito soberano do país. O índice PSEi avançou 0,5%, para 5.823,94 pontos, com grande volume de transações. O índice conseguiu chegar a um nível histórico de 5.860,12 pontos no começo da sessão. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
bolsasÁsia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.