Bolsas da Ásia despencam com temores sobre Europa

Alta dos custos dos empréstimos para a Espanha na sexta-feira ainda alimentam preocupações

Agencia Estado

23 de julho de 2012 | 06h48

Os mercados asiáticos iniciaram a semana com quedas acentuadas. As preocupações sobre a crise da dívida da Europa, após os custos dos empréstimos para a Espanha atingirem nível recorde na sexta-feira, derrubaram os mercados da região.

Este foi o caso na Bolsa de Hong Kong, que sofreu a sua segunda maior queda porcentual diária no ano, alavancada ainda pelo peso pesado HSBC, que despencou 5,7% com as preocupações sobre suas operações bancárias na Europa. O Hang Seng deslizou 3% e terminou aos 19.053,47 pontos.

As Bolsas da China encerraram em queda, também por causa das perdas em Wall Street na sexta-feira e os temores sobre a economia doméstica. O Xangai Composto caiu 1,3% e terminou aos 2.141,40 pontos, a pior pontuação em 2012. O Shenzhen Composto perdeu 1%, aos 886,47 pontos.

Em Taiwan, a Bolsa de Taipé encerrou o dia em baixa provocada pelo aumento dos custos dos empréstimos na Espanha. O índice Taiwan Weighted recuou 1,90%, aos 7.028,73 pontos.

A Bolsa de Seul, na Coreia do Sul, fechou no vermelho, com as preocupações renovadas sobre a crise na zona do euro após notícias negativas vindas da Espanha. Analistas dizem ainda que os investidores estão adotando posição cautelosa, à espera da divulgação do PMI da China, amanhã. O índice Kospi caiu 1,84%, aos 1.789,44 pontos.

Na Austrália, a Bolsa de Sydney fechou na maior baixa em sete semanas. O índice S&P/ASX 200 caiu 1,67%, aos 4.128,94 pontos. As notícias de que a região de Valência procurou ajuda do governo da Espanha para pagar suas dívidas - e de que outras regiões podem fazer o mesmo - amedrontaram os investidores.

Já a Bolsa de Manila, nas Filipinas, seguiu o embalo negativo dos demais mercados regionais. O PSEi recuou 1,4% e encerrou aos 5.139,40 pontos, com fraco volume de negociações. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
bolsasÁsia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.