Bolsas da Ásia encerram sem sinal definido; Hong Kong cai 2,32%

Parte dos mercados segue próximo da estabilidade, enquanto outros se animam com zona do euro

Hélio Barboza, Ricardo Criez e Roberto Carlos dos Santos, da Agência Estado,

30 de setembro de 2011 | 07h37

As bolsas asiáticas voltaram a apresentar números distintos. No encerramento do mês e às vésperas de longos feriados, alguns mercados decidiram andar de lado. Outros investidores reagiram bem às notícias sobre a dívida na zona do euro, além da alta em Wall Street. Mas houve bolsas que reagiram mal a fatores locais.

Este foi o caso na Bolsa de Hong Kong, que seguiu o embalo baixista dos mercados chineses. O índice Hang Seng caiu 2,32% e encerrou aos 17.592,40 pontos.

Na China, o principal índice acionário fechou no nível mais baixo em quase 30 meses, pois o pessimismo dos investidores com a economia chinesa e os temores em relação aos riscos para o crescimento global se juntaram ao aperto na liquidez que antecede o feriado prolongado do Dia Nacional da China. O índice Xangai Composto baixou 0,3% e encerrou aos 2.359,22 pontos, o menor nível de fechamento desde 8 de abril de 2009. Foi a terceira sessão consecutiva de declínio. O índice Shenzhen Composto recuou 0,2% e terminou aos 1.004,52 pontos.

O yuan se valorizou em relação o dólar, após atingir a baixa limite diária de sua banda pela terceira sessão seguida. Além disso, o Banco Central chinês reduziu a taxa de paridade central dólar-yuan para um piso recorde (de 6,3665 yuans para 6,3549 yuans). No mercado de balcão, o dólar fechou cotado em 6,3859 yuans, de 6,3983 yuans ontem.

A Bolsa de Taipé, em Taiwan, fechou em alta, com o aumento da confiança dos investidores na resolução da crise da dívida que atinge a Europa. O índice Taiwan Weighted avançou 0,60% e encerrou aos 7.225.38 pontos.

Já a Bolsa de Seul, na Coreia do Sul, recuperou as perdas da manhã, ocorridas por conta das dúvidas sobre a crise do euro, e fechou estável. O índice Kospi avançou apenas 0,02% e encerrou aos 1.769,65 pontos - no mês, contudo, o índice acumulou perdas de 5,9%.

Na Austrália, a Bolsa de Sydney, encerrou o dia estável. O índice S&P/ASX 200 teve avanço insignificante de 0,01% e terminou aos 4.008,60 pontos.

A Bolsa de Manila, nas Filipinas, também fechou em alta. O índice PSEi avançou 3,15% e encerrou aos 3.999,65 pontos.

A Bolsa de Cingapura terminou em baixa, com realizações de lucros. Pesaram no sentimento do investidor preocupações com as dívidas na zona do euro e expectativas de fraco crescimento do PIB chinês. O índice Straits Times caiu 1,2% e fechou aos 2.675,16 pontos; na semana, a queda soma 0,9% e, no mês, 7.3%.

O índice composto da Bolsa de Jacarta, na Indonésia, subiu 0,3% e fechou aos 3.549,03 pontos, com compras para melhoria de portfólio devido ao fim do mês. Em setembro, a baixa totalizou 7,6%.

O índice SET da Bolsa de Bangcoc, na Tailândia, cedeu 1,1% e fechou aos 916,21 pontos, com queda de 14,4% no mês, com vendas de estrangeiros avessos ao risco.

O índice composto de cem blue chips da Bolsa de Kuala Lumpur, na Malásia, fechou estável aos 1.387,13 pontos, com investidores de lado devido ao fim de semana. As informações são da Dow Jones

Tudo o que sabemos sobre:
bolsasÁsia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.