Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Bolsas da Ásia fecham com sinais variados; Xangai cai 0,5%

Já o mercado de ações de Tóquio subiu 1,4%, sob o impulso do desempenho positivo de Nova York na terça-feira e do forte movimento de compra de ações da Canon

Hélio Barboza, Ricardo Criez e Roberto Carlos dos Santos, da Agência Estado,

27 de abril de 2011 | 07h29

Os mercados asiáticos fecharam sem sinal definido nesta quarta-feira, embora a alta de ontem das bolsas de Nova York tenha alavancado algumas bolsas da região.

A Bolsa de Tóquio fechou em alta, uma vez que a solidez implícita nos balanços de empresas como Canon e Fanuc ajudou o índice Nikkei 225 a ignorar o corte na perspectiva da dívida soberana do Japão, efetuado pela agência de classificação de risco Standard & Poor's (S&P). O índice subiu 133,15 pontos, ou 1,4%, e fechou aos 9.691,84 pontos.

Desde o início da sessão, o mercado avançou sob o impulso do desempenho positivo das bolsas de Nova York na terça-feira e do forte movimento de compra de ações da Canon. A fabricante de máquinas fotográficas atraiu os investidores a despeito de ter apresentado um declínio no lucro líquido do primeiro trimestre e de reduzir sua previsão de ganho para o ano cheio, citando o impacto do terremoto de 11 de março e a seguida interrupção de seu canal de suprimentos. As ações da Canon fecharam em alta de 7%, de longe seu maior ganho porcentual do ano. "A posição da Canon em seu negócio principal está inalterada e a demanda externa está firme", escreveu o analista Toshiya Hari, do Goldman Sachs, numa nota aos clientes.

Pesadas compras de ações da Fanuc também ajudaram o mercado a consolidar a maior parte dos ganhos iniciais, já que a fabricante de equipamentos de automação industrial fechou em alta de 3,6%. A empresa informou que seu lucro líquido mais do que triplicou em relação ao ano fiscal anterior, para 120,16 bilhões de ienes (US$ 1,469 bi).

Foi discreta a reação do mercado ao corte da perspectiva da S&P para o rating da dívida soberana do Japão, de estável para negativa. Hideyuki Ishiguro, estrategista da corretora Okasan Securities, disse que a medida não surpreende e que os investidores estão mais voltados para o comunicado de política monetária que o Federal Reserve (Fed, banco central dos EUA) divulgará nesta quarta-feira e para a entrevista coletiva que o presidente da instituição, Ben Bernanke, concederá em seguida.

A Bolsa de Hong Kong encerrou em queda pressionada pelo mau desempenho da Bolsa de Xangai. O índice Hang Seng caiu 114,54 pontos, ou 0,5%, e terminou aos 23.892,84.

As Bolsas da China fecharam em queda pelo quarto pregão seguido. Muitas pequenas empresas anunciaram resultados mais fracos do que o esperado. Além disso, os investidores tornaram-se cautelosos às vésperas do feriado do Dia do Trabalho, preocupados com a possibilidade de o Banco Central chinês aproveitar a data para endurecer a política econômica. O índice Xangai Composto caiu 0,5% e fechou aos 2.925,41 pontos. O índice Shenzhen Composto perdeu 1,2% e encerrou aos 1.217,74 pontos.

O yuan subiu ante o dólar depois de o banco central direcionar a moeda à alta por meio da fixação recorde da taxa de câmbio de referência diária na esteira da desvalorização global do dólar. No mercado de balcão, o dólar fechou cotado em 6,5112 yuans, de 6,5287 yuans ontem. A taxa de paridade central dólar-yuan foi fixada em 6,5096 yuans, de 6,5173 yuans ontem.

Em Taiwan, a Bolsa de Taipé encerrou o dia em alta, impulsionada pelos papéis de fabricantes de computadores e por ações do setor bancário. O índice Taiwan Weighted avançou 1,13% e terminou aos 9.049,25 pontos.

Na Coreia do Sul, a cautela diante da reunião do Federal Reserve (Fed, banco central dos EUA) fez com que o índice Kospi da Bolsa de Seul devolvesse a maior parte de seus ganhos e fechasse praticamente estável. O índice avançou apenas 0,02%, terminando aos 2.206,70 pontos.

Na Austrália, a divulgação de um índice de inflação acima do esperado, a valorização do dólar australiano e a queda na cotação dos metais básicos deflagraram baixas generalizadas na Bolsa de Sydney. O índice S&P/ASX 200 perdeu 0,8% e fechou aos 4.872,9 pontos.

A Bolsa de Manila, nas Filipinas, também fechou em alta, influenciada pela recuperação de Wall Street. O índice PSE subiu 0,37% e encerrou aos 4.321,32 pontos.

A Bolsa de Cingapura fechou em alta, após forte flutuação na última hora que fez o índice mergulhar no território negativo antes de pequena retomada, mostrando a preocupação do mercado sobre o encontro do comitê do mercado aberto do Federal Reserve nesta quarta-feira. O índice Straits Times rompeu dois dias de perdas para subir 0,3% e encerrar aos 3.182,68 pontos.

O índice composto da Bolsa de Jacarta, na Indonésia, ganhou 0,8% e fechou aos 3.804,93 pontos, novo recorde de alta, liderado por compras de estrangeiros em meio a expectativas de fortes lucros no primeiro trimestre e altos pagamentos de dividendos.

O índice SET da Bolsa de Bangcoc, na Tailândia, ganhou 0,4% e fechou aos 1.101,35 pontos. Investidores aguardam novos estímulos para direcionar suas decisões.

O índice composto de cem blue chips da Bolsa de Kuala Lumpur, na Malásia, subiu 0,2% e fechou aos 1.529,91 pontos, uma vez que o sentimento do mercado teve um impulso devido aos ganhos na maioria das bolsas regionais. As informações são da Dow Jones

Tudo o que sabemos sobre:
bolsasÁsia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.