Bolsas da Ásia fecham em alta

Forte lucro das empresas nos Estados Unidos e demanda por títulos da Espanha impulsionam mercado

Antonio Rogério Cazzali, Ricardo Criez e Carlos Mercuri, Agencia Estado

18 de abril de 2012 | 08h43

As Bolsas da Ásia terminaram em alta com notícias positivas da Europa e fortes lucros de empresas nos EUA ajudando a restaurar o apetite pelo risco. O rali acompanhou os ganhos nos mercados europeu e americano, uma vez que os investidores demandaram fortemente os títulos da Espanha em seu leilão e com surpreendente crescimento do indicador do sentimento econômico na Alemanha.

A Bolsa de Hong Kong terminou em alta, impulsionada pelo forte fechamento em Wall Street devido à amenização das preocupações com a crise das dívidas da Europa, bem como ao incremento das expectativas de maior afrouxamento da política monetária na China. O índice Hang Seng subiu 1,1% e fechou aos 20.780,73 pontos.

As Bolsas da China fecharam no seu maior nível em quase um mês, após dois dias de declínios. Os investidores ficaram animados com os ganhos nos mercados externos, enquanto as expectativas de flexibilização da política econômica ajudaram a diminuir as preocupações sobre a desaceleração do crescimento doméstico. O índice Xangai Composto avançou 2% e terminou aos 2.380,85 pontos, no maior fechamento desde 19 de março. O índice Shenzhen Composto adicionou 2,1% e encerrou aos 956,48 pontos.

O yuan caiu ante o dólar depois de o banco central conduzir a moeda chinesa para baixo via a taxa de referência diária, em resposta à forte valorização da divisa americana no exterior. No mercado de balcão, o dólar fechou cotado em 6,3029 yuans, de 6,3015 yuans ontem. O yuan caiu 0,14% ante o dólar desde o início do ano. A taxa de paridade central dólar-yuan foi fixada em 6,2948 yuans, de 6,2896 yuans na véspera.

Em Taiwan, a Bolsa de Taipé fechou em alta, em meio à reintrodução do imposto sobre os ganhos de capital e a um potencial golpe à economia local com o aumento dos preços ao consumidor. O índice Taiwan Weighted subiu 0,25% e encerrou aos 7.605,00 pontos.

Na Coreia do Sul, a Bolsa de Seul terminou o pregão em alta, com ganhos generalizados, respaldados pelo sucesso do leilão de títulos da Espanha. As fabricantes de navios e algumas líderes do segmento de tecnologia apresentaram os melhores desempenhos. O índice Kospi ganhou 0,97% e fechou aos 2.004,53 pontos.

Na Austrália, a Bolsa de Sydney subiu para o seu maior nível em duas semanas, com o alívio das preocupações sobre a Europa, a atualização do FMI para sua previsão de crescimento global e os relatórios de ganhos dos EUA acima das expectativas. O índice S&P/ASX 200 avançou 1,40% e terminou aos 4.348,66 pontos.

Já a Bolsa de Manila, nas Filipinas, atingiu novo recorde de pontuação, estimulada pelos ganhos em Wall Street. O índice PSE subiu 0,6% e terminou aos 5.186,20 pontos, com pesado volume de negociações.

A Bolsa de Cingapura teve maior alta em duas semanas, com o otimismo com os lucros de Intel e Goldman Sachs ajudando os mercados regionais, além do sucesso da colocação de títulos da Espanha. O índice Straits Times subiu 0,5% e fechou aos 3.000,58 pontos, rompendo a marca psicológica dos 3 mil pontos pela primeira vez desde 3 de abril.

O índice SET da Bolsa de Bangcoc, na Tailândia, subiu 0,7% e terminou aos 1.168,05 pontos, favorecido por Espanha e EUA. Mas realizações de lucros erodiram parte dos ganhos iniciais.

O índice composto da Bolsa de Jacarta, na Indonésia, subiu 0,2% e fechou aos 4.166,23 pontos, com fundos institucionais locais indo às compras esperando fortes lucros trimestrais a serem anunciados na semana que vem.

O índice composto de cem blue chips da Bolsa de Kuala Lumpur, na Malásia, teve alta de 0,2% e fechou aos 1.598,86 pontos, com Espanha animando o sentimento dos investidores. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
bolsasÁsia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.