Bolsas da Ásia fecham em alta; HK ganha 0,6%

Investidores seguiram o embalo positivo de NY e também reagiram a fatores internos de cada país 

Hélio Barboza, Ricardo Criez e Roberto Carlos dos Santos, da Agência Estado,

17 de fevereiro de 2011 | 08h04

A maioria dos mercados asiáticos apresentou elevação nesta quinta-feira. Os investidores seguiram o embalo positivo de Wall Street e também reagiram a fatores internos de cada país.

A Bolsa de Tóquio fechou em alta, fixando outra máxima de fechamento do índice Nikkei 225 no ano, uma vez que ações retardatárias que vinham tendo desempenho inferior ao do mercado, como Sony e Canon, beneficiaram-se da migração dos recursos até então aplicados em ações de tecnologia com alto rendimento. Papéis ligados ao setor de petróleo, como Inpex, também ganharam com a alta das cotações da commodity. O índice Nikkei 225 subiu 28,35 pontos, ou 0,3%, e fechou aos 10.836,64 pontos, estendendo sua sequência ganhadora para quatro sessões consecutivas.

A Bolsa de Hong Kong fechou em alta, liderada pelo peso pesado HSBC, que subiu por conta das expectativas de fortes resultados para o ano fiscal, embora as perdas no setor imobiliário tenham limitado os ganhos. O índice Hang Seng subiu 144,87 pontos, ou 0,6%, e encerrou aos 23.301,84 pontos.

As Bolsas da China tiveram ligeira alta. As ações dos bancos subiram alavancadas pelas esperanças de aumento das taxas de empréstimo, mas as imobiliárias sucumbiram aos temores de adicionais medidas de aperto monetário. O índice Xangai Composto ganhou 0,1% e terminou aos 2.926,96 pontos, o melhor fechamento desde 14 de dezembro. O índice Shenzhen Composto subiu 0,3% e encerrou aos 1.286,73 pontos.

O yuan se valorizou em relação ao dólar, após Pequim fixar novo valor recorde para a taxa de paridade central dólar-yuan (de 6,5855 yuans para 6,5800 yuans), antes do encontro do G-20. No mercado de balcão, o dólar fechou cotado em 6,5871 yuans, de 6,5885 yuans do fechamento de quarta-feira.

A Bolsa de Taipé, em Taiwan, iniciou o pregão em alta, mas encerrou o dia negativa, com investidores realizando lucros. O índice Taiwan Weighted recuou 0,33% e fechou aos 8.683,88 pontos.

Na Coreia do Sul, o índice Kospi da Bolsa de Seul teve queda de 0,6% e terminou aos 1.977,22 pontos. Pesou no sentimento dos investidores a preocupação com um possível aperto monetário na Ásia em resposta ao crescimento das pressões inflacionárias.

A Bolsa de Sydney, na Austrália, encerrou com leve alta e a maior pontuação dos últimos dez meses, na esteira da renovada força das bolsas de Nova York e do sentimento positivo em relação aos balanços das empresas australianas. O índice S&P/ASX 200 subiu 0,2% e fechou aos 4.938,4 pontos.

Nas Filipinas, a Bolsa de Manila fechou em alta, com os investidores embalados pelos ganhos em Wall Street e pelos preços atraentes de ações. O índice PSE subiu 1,43% e encerrou aos 3.866,38 pontos.

O índice composto da Bolsa de Jacarta, na Indonésia, avançou 0,5% e fechou aos 3.434,38 pontos, com procuras por ofertas em blue chips selecionadas.

A Bolsa de Cingapura teve baixa, depois que a cidade-Estado reduziu a estimativa para seu PIB do quarto trimestre sinalizou com alta da inflação em 2011, desestimulando o apetite por risco dos investidores antes da divulgação do orçamento, hoje. O índice Straits Times caiu 0,4% e fechou aos 3.082,83 pontos.

O índice SET da Bolsa de Bangcoc, na Tailândia, subiu 1,4% e fechou aos 995,57 pontos, marcando sua maior alta desde 21 de janeiro, liderado pelas peso pesados de energia e de bancos.

O índice composto de cem blue chips da Bolsa de Kuala Lumpur, na Malásia, subiu 02,% e fechou aos 1.508,56 pontos. Segundo um dealer local, "o mercado aparenta estar em uma fase de consolidação às vésperas da divulgação do PIB na próxima quinta e dos resultados corporativos na semana que vem". As informações são da Dow Jones

Tudo o que sabemos sobre:
bolsasÁsia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.