Bolsas da Ásia fecham em forte alta; Xangai sobe 2,2%

Boas notícias vindas da China e a queda nos preços do petróleo alavancaram os negócios na região

Hélio Barboza, Ricardo Criez e Roberto Carlos dos Santos, da Agência Estado,

24 de junho de 2011 | 07h23

A maioria dos mercados asiáticos fechou com números altamente positivos nesta sexta-feira. As boas notícias vindas da China e a queda nos preços do petróleo, que reduziram temores sobre a alta da inflação, alavancaram os negócios na região.

Este foi o caso na Bolsa de Hong Kong, que também se beneficiou da presença de investidores em busca de ofertas de ocasião. O índice Hang Seng subiu 412,81 pontos, ou 1,9%, e terminou aos 22.171,95 pontos - na semana, o índice acumulou alta de 0,3%.

Na China, as bolsas também tiveram fortes altas, estendendo os ganhos no quarto pregão seguido de elevação. O índice Xangai Composto ganhou 2,2% e terminou aos 2.746,21 pontos - na semana, o índice teve alta de 3,9%. O índice Shenzhen Composto subiu 2,3% e encerrou aos 1.136,39 pontos.

O yuan se desvalorizou em relação ao dólar, por conta do fortalecimento da moeda norte-americana nos mercados globais e após o Banco Central chinês elevar a taxa de paridade central dólar-yuan (de 6,4736 yuans para 6,4742 yuans). No mercado de balcão, o dólar fechou cotado em 6,4730 yuans, de 6,4676 yuans do fechamento de quinta-feira - a moeda chinesa se valorizou 5,5% em relação à unidade dos EUA desde junho de 2010.

A Bolsa de Taipé, em Taiwan, fechou em baixa, com os investidores vendendo ações de maior capitalização diante das incertezas em torno da economia global, disse Tom Teng, analista da Masterlink Investment Advisory. O índice Taiwan Weighted caiu 0,40% e fechou aos 8.532,83 pontos.

Na Coreia do Sul, o índice Kospi da Bolsa de Seul registrou alta de 1,7% e encerrou aos 2.090,81 pontos, influenciado em grande parte pela decisão da Agência Internacional de Energia (AIE) de liberar reservas estratégicas de petróleo por volta do final da próxima semana. A medida, na avaliação dos investidores, pode contribuir para o combate à inflação.

A Bolsa de Sydney, na Austrália, fechou com alta modesta. O índice S&P/ASX 200 subiu apenas 0,2% e fechou aos 4.508,1 pontos.

Nas Filipinas, a Bolsa de Manila também encerrou o dia em alta. O Índice PSE avançou 1,19% e fechou aos 4.291,44 pontos.

A Bolsa de Cingapura fechou em alta após a Grécia obter aprovação da União Europeia e do Fundo Monetário Internacional (FMI) sobre novas medidas de austeridade e uma vez que comentários do premiê chinês, Wen Jiabao, que disse que os esforços para controlar a inflação têm dado resultado e que as altas de preços agora estão em escala controlável, impulsionaram o sentimento. O declínio nos preços do petróleo ajudaram as ações de companhias sensíveis à commodity. O índice Straits Times ganhou 0,7% e fechou aos 3.066,85 pontos.

O índice composto da Bolsa de Jacarta, na Indonésia, subiu 0,7% e fechou aos 3.848,56 pontos, uma vez que os fundos estrangeiros mantiveram compras de papeis relacionados ao consumo e de bancos na expectativa de fortes resultados no primeiro semestre.

O índice SET da Bolsa de Bangcoc, na Tailândia, avançou 0,9% e fechou aos 1.022,94 pontos, acompanhando os demais mercados da região, embora com volumes modestos, por conta de expectativas do mercado sobre as eleições de 3 de julho.

O índice composto de cem blue chips da Bolsa de Kuala Lumpur, na Malásia, ganhou 0,1% e fechou aos 1.564,66 pontos, em linha com os demais mercados regionais, com destaque para os papeis do setor financeiro. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
bolsasÁsiaChinapetróleo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.