Bolsas da Ásia fecham no campo negativo

Realização de lucros e temores em relação à economia da China nortearam os investidores; Tóquio caiu 1,6%

Hélio Barboza, Ricardo Criez e Roberto Carlos dos Santos, da Agência Estado,

21 de janeiro de 2011 | 07h14

A maioria dos mercados asiáticos encerrou a semana em queda. A realização de lucros e os temores em relação à economia da China nortearam os investidores nesta sexta-feira.   A Bolsa de Tóquio fechou com forte queda, depois que o crescimento das expectativas de uma elevação de juros na China deflagrou vendas generalizadas. Ações como as da Sony e da Komatsu empurraram o índice Nikkei 225 para a maior baixa do ano. O índice afundou 162,79 pontos, ou 1,6%, para 10.274,52 pontos. Foi a maior perda de pontos desde 30 de novembro e a primeira vez, desde os dias 22 e 24 de dezembro, em que o índice teve duas sessões consecutivas de baixa. Na quinta-feira, o Nikkei 225 já havia declinado 1,1%.

O pregão já começou no território negativo e caiu mais após o intervalo da hora do almoço. As preocupações com a taxa de juros da China, que já haviam contribuído para a onda de vendas na quinta-feira, foram exacerbadas no meio do dia. De acordo com um comentário do jornal estatal China Securities Journal, o índice de preços ao consumidor chinês pode chegar a 6% ao ano no primeiro semestre. O cenário é "chocante, mas não completamente irrealista", disse Soichiro Mori, estrategista da FXOnline Japan.

A Bolsa de Hong Kong fechou no campo negativo, no embalo das perdas em Wall Street. As empresas de recursos naturais e os bancos chineses lideraram o declínio, por causa das preocupações de um iminente aperto monetário de Pequim para conter a inflação. O Hang Seng caiu 126,84 pontos, ou 0,5%, e terminou aos 23.876,86 pontos - na semana, o índice teve baixa acumulada de 1,7%.

Já as Bolsas da China apresentaram elevação, liderada pelos grandes bancos, com a perspectiva de fortes balanços em 2010 e as expectativas de que o Banco Central não irá aumentar a taxa de juros no fim de semana. O Xangai Composto ganhou 1,4% e terminou aos 2.715,29 pontos - na semana, o índice acumulou perda de 2,7%. O Shenzhen Composto subiu 0,7% e encerrou aos 1.178,16 pontos.

Em Taiwan, a Bolsa de Taipé encerrou em baixa, estendendo a perda de 0,70% do pregão anterior. Os investidores continuaram a realização de lucros nas principais companhias dos setores bancário e de tecnologia. O índice Taiwan Weighted caiu 0,75%, aos 8.954,38 pontos.

Na Coreia do Sul, o índice Kospi da Bolsa de Seul encerrou em queda de 1,74%, aos 2.069,92 pontos.

A Bolsa de Sydney, na Austrália, caiu para uma mínima de seis dias, com as ações dos setores de energia e de matérias-primas pressionadas pelo aumento do temor de um aperto monetário na China. O índice S&P/ASX 200 baixou 0,6%, aos 4.755,7 pontos.

A Bolsa de Manila, nas Filipinas, também fechou em baixa, pela quarta sessão consecutiva, com as preocupações cada vez maiores com a inflação. O índice PSE recuou 1,38%, aos 3.951,04 pontos.As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
bolsasÁsiaJapãomercadoWall Street

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.