Bolsas da Ásia fecham sem tendência definida

Investidores andaram de lado à espera das declarações de Ben Bernanke, na sexta-feira

Antonio Rogério Cazzali, Ricardo Criez e Roberto Carlos dos Santos, da Agência Estado,

29 de agosto de 2012 | 06h21

Pelo segundo dia seguido, os mercados asiáticos fecharam sem tendência definida. Nesta quarta-feira, na maioria das bolsas da região, os investidores andaram de lado à espera das declarações do presidente do Fed, Ben Bernanke, na sexta-feira.

Este foi o caso na Bolsa de Hong Kong, que terminou estável pela segunda sessão seguida, com fraco volume de negociações. O Hang Seng caiu apenas 23,29 pontos (-0,1%) e terminou aos 19.788,51 pontos.

As Bolsas da China voltaram para o campo negativo, derrubadas pelas companhias de metais. A recuperação na sessão anterior durou pouco, mostrando o pessimismo dos investidores sobre a desaceleração da economia doméstica. O Xangai Composto caiu 1% e terminou aos 2.053,24 pontos, no pior resultado em mais de três anos e meio. O Shenzhen Composto perdeu 0,6%, aos 851,14 pontos.

A Bolsa de Taipé, em Taiwan, fechou em alta, apesar das blue chips terminarem o pregão sem direção definida e o mercado andar de lado à espera da reunião de sexta-feira do Fed. O índice Taiwan Weighted subiu 0,40%, aos 7.391,15 pontos.

Na Coreia do Sul, a Bolsa de Seul fechou em alta com fortes compras institucionais, apesar de ter havido um segundo dia consecutivo de vendas por parte dos investidores estrangeiros. O índice Kospi ganhou 0,64%, aos 1.928,54 pontos.

Na Austrália, a Bolsa de Sydney fechou praticamente estável após passar o dia no vermelho - com um declínio nos preços do minério de ferro puxando para baixo as mineradoras e a fraqueza do mercado chinês. Ações defensivas e de alto rendimento deram apoio ao índice S&P/ASX 200, que fechou aos 4.356,45 pontos.

Já a Bolsa de Manila, nas Filipinas, fechou em leve alta. O PSEi subiu 0,39% e encerrou aos 5.195,72 pontos. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
bolsasÁsia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.