Bolsas da Ásia sobem com Apple, IBM e dívida dos EUA

Mercados na China fecharam em direções diferentes, em meio à preocupação com a economia do país

Hélio Barboza, da Agência Estado,

20 de julho de 2011 | 08h08

As bolsas asiáticas fecharam em alta, estimuladas pelos resultados da Apple e da IBM e pela perspectiva de que termine o impasse político sobre o teto da dívida do governo norte-americano.

O índice Hang Seng da Bolsa de Hong Kong teve alta de 0,5% e fechou aos 22.003,69 pontos, embora tenha oscilado dentro de uma faixa estreita pela sétima sessão consecutiva, em meio à permanência das incertezas em relação aos problemas da dívida na Europa e nos EUA.

As bolsas da China fecharam em direções diferentes, com oscilações pequenas, em meio à preocupação dos investidores com a economia do país no segundo semestre. O índice Xangai Composto recuou 0,1% e terminou aos 2.794,21 pontos. O índice Shenzhen Composto avançou 0,2% e encerrou aos 1.219,46 pontos.

O yuan subiu em relação ao dólar pelo segundo dia seguido depois de atingir recorde de alta intraday, enquanto o banco central chinês elevou sua taxa de referência diária. No mercado de balcão, o dólar fechou cotado em 6,4595 yuans, de 6,4634 yuans do fechamento de terça-feira. O banco central fixou a paridade central na mínima recorde de 6,4592 yuans por dólar, ante 6,4684 yuans por dólar de terça-feira, acompanhando a desvalorização da moeda norte-americana no exterior.

Em Taiwan, o índice Taiwan Weighted subiu 2,1% e fechou aos 8.706,17 pontos.

Os balanços da IBM e da Apple também impulsionaram os ganhos da Bolsa de Seul, na Coreia do Sul, onde o índice Kospi avançou 1,2% e terminou aos 2.154,95 pontos.

Na Austrália, o índice S&P/ASX 200 da Bolsa de Sydney fechou com a maior alta em sete meses. O índice subiu 1,8% e terminou aos 4.549,7 pontos.

O índice PSE Composto da Bolsa de Manila, nas Filipinas, fechou no maior nível da história, aos 4.507,04 pontos, com alta 0,5%.

A Bolsa de Cingapura terminou em alta, seguindo os ganhos nos demais mercados regionais, após Wall Street fechar no positivo com os sinais de progresso em um potencial plano de redução do déficit dos EUA. O índice Straits Times subiu 1% e encerrou aos 3.126,53 pontos.

O índice composto da Bolsa de Jacarta, na Indonésia, avançou 0,7% e fechou aos 4.050,63 pontos, ajudados pelos ganhos na maioria dos mercados asiáticos na expectativa de que congressistas norte-americanos concordem em elevar o teto de endividamento do governo para evitar risco de calote.

O índice SET da Bolsa de Bangcoc, na Tailândia, ganhou 0,4% e fechou aos 1.101,37 pontos, acompanhando os demais mercados da região. Bangkok Bank (+1,2%) conduziu a alta, na expectativa de divulgação de seus resultados do segundo trimestre, hoje.

O índice composto de cem blue chips da Bolsa de Kuala Lumpur, na Malásia, subiu 0,4% e terminou aos 1.562,59 pontos, rompendo sequência de quatro sessões de baixas, uma vez que robustos lucros divulgados nos EUA, bem como sinais de progresso nas negociações sobre o teto da dívida norte-americana, impulsionaram o sentimento do investidor. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
bolsasÁsiaChinaIBMApple

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.