Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Bolsas da Ásia sobem com dados dos EUA; Hong Kong sobe 1,4%

Números acima das expectativas da economia norte-americana contribuíram para o bom desempenho

Antonio Rogério Cazzali, Ricardo Criez e Roberto Carlos dos Santos, da Agência Estado,

16 de dezembro de 2011 | 07h54

Após as recentes fortes quedas, as bolsas asiáticas se recuperaram e fecharam no campo positivo nesta sexta-feira. Os bons números da economia norte-americana, mais fortes do que as expectativas, contribuíram para o bom desempenho e a melhora no sentimento dos investidores da região.

Por conta disso, a Bolsa de Hong Kong encerrou seis sessões seguidas de perdas, também ajudada pelas expectativas de que Pequim vai reduzir parcialmente as restrições sobre o mercado imobiliário. O índice Hang Seng subiu 258,55 pontos, ou 1,4%, e fechou aos 18.285,39 pontos - na semana, contudo, o índice acumulou queda de 1,6%. As imobiliárias chinesas lideraram os ganhos: China Resources Land saltou 9,1% e China Overseas Land avançou 5,4%.

Na China, as bolsas apresentaram forte recuperação, ao encerrar seis pregões seguidos de baixa. As esperanças de que Pequim tomaria medidas para impulsionar os preços das ações estimularam o mercado. A estreia da seguradora New China Life Insurance, mais forte do que o esperado, também deu suporte ao rali. O índice Xangai Composto subiu 2% e terminou aos 2.224,84 pontos, após acumular perdas de 6,5% nas últimas seis sessões. O índice Shenzhen Composto ganhou 2,8% e fechou aos 910,35 pontos. Empresas do setor financeiro estiveram entre as maiores ganhadoras do dia, lideradas pela alta de 14% da New China Life Insurance. China Life adicionou 1,4% e Ping An avançou 2,1%.

O yuan subiu ante o dólar, atingindo recorde de alta no intraday, sinal de que o banco central interveio para estabilizar a moeda. No mercado de balcão, o dólar fechou cotado em 6,3484 yuans, de 6,3508 yuans ontem. A taxa de paridade central dólar-yuan foi fixada em 6,3352 yuans, de 6,3421 yuans ontem.

No embalo dos demais mercados regionais, a Bolsa de Seul, na Coreia do Sul, apresentou alta, com os investidores focados nas blue chips. O índice Kospi avançou 1,1% e terminou aos 1.839,96 pontos. Samsung Electronics subiu 3%. LG Chem disparou 4,8%. Hyundai Motor escalou 2,5% e Kia Motors ganhou 2,3%.

Em Taiwan, a Bolsa de Taipei encerrou o pregão em alta, com as compras de fundos apoiados pelo governo. O índice Taiwan Weighted subiu 0,30% e fechou aos 6.785,09 pontos. No setor financeiro, China Life subiu 2% e Chinatrust registrou alta de 1,7%. No setor de tecnologia, o destaque positivo ficou com a Asustek, com elevação de 1,7%.

A Bolsa de Sydney se recuperou ligeiramente, depois que os mercados reagiram positivamente com os dados econômicos dos EUA. Apesar disso, o comércio de ações esteve cauteloso em meio às preocupações com a crise da dívida europeia, e depois de um alerta de rebaixamento para os lucros da varejista de eletrônicos JB HiFi. O índice S&P/ASX 200 subiu 0,5% e encerrou aos 4.159,20 pontos. BHP Billiton avançou 0,4% e Rio Tinto ganhou 0,7%. Já as ações do Banco da Austrália subiram 1%, mas os papéis da JB HiFi despencaram 15%.

Nas Filipinas, a Bolsa de Manila também encerrou o dia em alta. O índice PSE avançou 0,52% e terminou aos 4.304,94 pontos.

A Bolsa de Cingapura terminou em alta seguindo o fechamento positivo em Wall Street na esteira da divulgação de dados melhores que os esperados do mercado de trabalho. O índice Straits Times subiu 0,9% e fechou aos 2.659,22 pontos.

O índice composto da Bolsa de Jacarta, na Indonésia, subiu 1,8% e fechou 66,814 pontos, com a agência Fitch elevando o rating de crédito do país, atraindo fundos estrangeiros de volta ao mercado.

O índice SET da Bolsa de Bangcoc, na Tailândia, subiu 0,91% e fechou aos 1.033,49 pontos.

O índice composto de cem blue chips da Bolsa de Kuala Lumpur, na Malásia, subiu 0,1% e fechou aos 1.466,22 pontos, seguindo os ganhos nos demais mercados regionais. As informações são da Dow Jones

Tudo o que sabemos sobre:
bolsasÁsia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.