Bolsas da Ásia têm alta com China e Japão

As ações na China subiram após o Banco do Povo anunciar o fim do piso das taxas de juros para empréstimos 

22 de julho de 2013 | 09h21

 Os mercados de ações da Ásia fecharam em alta nesta segunda-feira, com destaque para as ações na China, que subiram após o anúncio do Banco do Povo da China (PBoC) de eliminar o piso das taxas de juros de fornecimento de empréstimos. 

O PBoC disse na sexta-feira que deve eliminar todas as medidas de controle sobre a taxa de fornecimento de empréstimos e deixará que as instituições financeiras estabeleçam as taxas de maneira independente. 

O banco central chinês anunciou a eliminação do piso para a taxa de juros de fornecimento de empréstimos, que era de 70% da taxa de juros de referência, estabelecida pela própria autoridade monetária. A medida é um passo fundamental para os planos de liberalização do regime de taxa de juros do país e deve reduzir os custos de financiamento das empresas, ao estimular a competição entre os bancos.

Nesta segunda-feira, os mercados chineses terminaram a sessão em alta. O índice Xangai Composto avançou 0,6%, para 2.004,76 pontos, enquanto o índice Hang Seng, de Hong Kong, ganhou 0,3% e encerrou o pregão aos 21.416,50 pontos. O índice Shenzhen Composto avançou 1,8%, para 948,27 pontos.

Na Austrália, a Bolsa de Sydney subiu para o maior nível em dois meses, com a vitória da coalizão governista do Japão na disputa eleitoral da Câmara Alta do país. A confiança dos investidores na Austrália foi reforçada com a vitória da coalizão do primeiro-ministro Shinzo Abe, pois o Japão é o segundo maior parceiro comercial da Austrália e os agentes do mercado esperam agora que o governo japonês implemente fortes reformas econômicas no país.   

O índice S&P/ASX 200 fechou em alta de 0,6% aos 5001,9 pontos, o maior nível de fechamento desde 23 de maio. 

Na Coreia do Sul, o índice Kospi subiu 0,5% para 1880,35 pontos e, nas Filipinas, o índice PSEi ganhou 0,1%, aos 6627,36 pontos. As ações em Taipé também avançaram, encerrando o pregão em alta de 0,5% aos 8.105,45 pontos devido a uma recuperação técnica após a recente queda, mas o fraco volume de negócios mostra que a confiança do mercado permanece instável, disseram analistas. Fonte: Dow Jones Newswires.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.