Bolsas da China sobem antes de parceria Xangai-Hong Kong

Bolsas da China sobem antes de parceria Xangai-Hong Kong

Os ganhos foram liderados pelas corretoras, diante da expectativa de que as operações entre os mercados vão atrair mais investidores e aumentar suas receitas

LEDA SAMARA, Estadão Conteúdo

12 de novembro de 2014 | 09h24

As ações chinesas renovaram máxima dos últimos três anos na sessão desta quarta-feira. Os ganhos foram liderados pelas corretoras, diante da expectativa de que as operações entre os mercados acionários de Xangai e Hong Kong vão atrair mais investidores e aumentar suas receitas. Os papéis dos bancos, por outro lado, sucumbiram à realização de lucros após recente valorização.

O índice de referência Xangai Composto encerrou com alta de 1,0%, aos 2.494,48 pontos, o fechamento mais alto desde 15 de novembro de 2011. O volume de negócios teve queda acentuada, para 215,7 bilhões de yuans (US$ 35,2 bilhões), após atingir máxima histórica na terça-feira, de 331,3 bilhões de yuans. O índice Shenzhen subiu 1,5%, encerrando aos 1.345,41 pontos.

Em Hong Kong, as ações avançaram na parte da tarde, com uma onda de demanda atingindo o mercado após o início da sessão de negócios na Europa. Os ganhos foram liderados pelo Banco da China Hong Kong, cujas ações subiram 3,8%, após a autoridade monetária local aumentar o limite de conversão de yuans chineses para ajudar a aliviar as condições de liquidez para o lançamento da conexão com o mercado de Xangai na próxima segunda-feira. O índice Hang Seng subiu 0,6%, encerrando aos 23.938,18 pontos.

Em outros mercados acionários da Ásia, o índice o Taiex, do mercado taiwanês, fechou em queda de 1,3%, aos 8.918,95 pontos, diante da saída de investidores estrangeiros. O FTSE Straits Times, de Cingapura, perdeu 0,26%, fechando aos 3.283,71 pontos, enquanto o índice sul-coreano Kospi subiu 0,22%, a 1.967,27 pontos, e o filipino PSEi ganhou 0,39%, a 7.232,87 pontos, puxado pelo desempenho das blue chips.

Na Oceania, as ações australianas recuaram, puxadas pela queda de 2,8% nos papéis da mineradora BHP Billiton. O índice de referência S&P/ASX 200, da Bolsa de Sydney, perdeu 0,98%, fechando aos 5.463,10 pontos. As mineradoras têm sofrido a pressão de preços de minério de ferro declinantes. Rio Tinto caiu 1,8% e Fortescue perdeu 2,0%. (Com informações da Dow Jones Newswires)

Tudo o que sabemos sobre:
ÁSIABOLSAS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.