Bolsas da Europa encerram em alta, com petrolíferas

As principais bolsas da Europa fecharam em alta, sustentadas pelas ações das companhias petrolíferas e por rumores sobre negócios corporativos. O início positivo das Bolsas de Nova York também deu suporte para os ganhos. Em Londres, o FTSE 100 subiu 51 pontos (+0,87%), fechando na máxima do dia, de 5.884,40 pontos. As ações da BP subiram 1,3%, após a companhia informar que suas margens de refino no segundo trimestre cresceram 50%, na comparação a igual período de 2005, o que ajudou a atenuar a queda maior do que a esperada na produção. A BP informou que pretende registrar produção ao redor de 4,01 milhões de barris de petróleo equivalente por dia no segundo trimestre, na comparação com os 4,11 milhões de barris do mesmo trimestre do ano anterior. A Royal Dutch Shell subiu 1,4% Em Paris, o CAC-40 apagou as perdas do início do dia e terminou com ganho de 14,66 pontos (0,30%), em 4.980,62 pontos. A Total avançou 0,6%, acompanhando outras empresas do setor. A EADS caiu 0,8% após sua reestruturação gerencial. A Renault subiu 0,2%, com a notícia de que o conselho da empresa aprovou a negociação para incluir a General Motors em sua aliança estratégica com a Nissan. A expectativa de consolidação no setor automotivo deu sustentação para as ações da DaimlerChrysler, que subiram 0,4%, e aos papéis da Volkswagen, que ganharam 0,7%, em Frankfurt. O Xetra-DAX avançou 29,38 pontos (0,52%), para 5.712,69 pontos. Os papéis do Commerzbank fecharam em alta de 1,3%, com a notícia de que o Goldman Sachs vai dar aconselhamento sobre seus negócios Jupiter. Em Milão, o MIB 30 terminou o dia em 36.598,00 pontos, com alta de 253 pontos (0,70%). A Bolsa de Madri fechou com o índice IBEX-35 subindo 21,50 pontos (0,19%), em 11.569,60 pontos. As ações da Telecinco subiram 3%, liderando o bloco positivo após figurar no topo dos ratings de TVs em junho, pelo quarto mês consecutivo. Na Bolsa de Lisboa, o índice PSI 20 avançou 30,57 pontos (0,32%), para 9.533,51 pontos. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.