Bolsas da Europa encerram em direções divergentes

As principais bolsas européias ficaram sem direção clara depois da divulgação dos dados do nível de emprego nos EUA em setembro. Informes ou especulações sobre fusões e aquisições deram sustentação às ações dos bancos, enquanto algumas ações do setor de telecomunicações caíram. Aparentemente, os investidores leram os dados do nível de emprego nos EUA como sinal de que as taxas de juro do Federal Reserve (Fed, banco central dos EUA) serão mantidas nos níveis atuais. "A maior aposta no momento é se você pensa que os EUA vão sobreviver ou se as fundações frágeis do mercado de imóveis da Flórida vão se tornar algo mais sério", disse Andrew Lynch, da Schroder Investment Management. Embora otimista quanto à perspectiva dos mercados de ações europeus no médio prazo, ele prevê volatilidade no curto prazo. Londres Na Bolsa de Londres, o índice FT-100 fechou em baixa de 3,3 pontos, ou 0,05%, em 6.001,2 pontos. As ações do banco Barclays subiram 1,75% e as do Lloyds TSB avançaram 0,63%, depois de o serviço noticioso espanhol Hispanidad dizer que o BBVA está estudando a hipótese de fusão com um deles. As ações do setor elétrico e de utilidades subiram, em reação ao anúncio da aquisição do Viridian Group, da Irlanda do Norte, por um grupo de Bahrein (Kelda registrou ganho de 1,84%, National Grid teve alta de 1,56%, Severn Trent Water avançou 2,38% e United Utilities teve acréscimo de 1,48%). Entre as companhias aéreas, as ações da EasyJet recuaram 0,5%, depois de a empresa oferecer projeção de lucros; as da Aer Lingus subiram 2,1%, após a Ryannair anunciar que já conseguiu comprar 19,2% do que pretendia com sua oferta "hostil" de aquisição. As ações da Vodafone, do setor de telecomunicações, fecharam no mesmo nível de ontem, depois de rebaixamento de recomendação pelo Deutsche Bank. Na semana, o FT-100 acumulou uma alta de 0,68%. Paris O índice CAC-40, da Bolsa de Paris, encerrou em queda de 6,47 pontos, ou 0,12%, em 5.282,06 pontos. As ações da EADS caíram 2,95%, em meio a informes sobre o plano de reestruturação da Airbus. As da Mittal Steel avançaram 3,32%, devido às especulações sobre consolidação no setor siderúrgico. Na semana, o CAC acumulou valorização de 0,61%. Frankfurt A Bolsa de Frankfurt terminou o dia com o índice Xetra-DAX em alta de 10,54 pontos, ou 0,17%, em 6.085,82 pontos. "O pregão foi extremamente quieto", disse um operador, prevendo que o mesmo deverá acontecer na segunda-feira, na ausência de indicadores econômicos. Entre os destaques do pregão estavam ThyssenKrupp, do setor siderúrgico, que registrou ganho de 2,50%, e MAN, com valorização de 2,76%. Na semana, o DAX acumulou uma alta de 1,36%. Milão Na Bolsa de Milão, o índice S&P-Mib fechou em baixa de 3 pontos, ou 0,01%, em 38.955 pontos. As ações da Telecom Italia caíram 0,96%, depois de rebaixamento de recomendação pelo Deutsche Bank. As da Tiscali subiram 2,4%, devido a especulações de que a Vodafone poderá fazer uma oferta por sua divisão de comunicações por banda larga. Segundo operadores, as negociações entre a Alitalia e os sindicatos de trabalhadores do setor aeronáutico, marcadas para terça-feira, deverão estar entre os focos das atenções dos investidores na próxima semana. Nesta semana, o S&P-Mib acumulou um acréscimo de 1,25%. Madri O índice Ibex-35, da Bolsa de Madri, encerrou em alta de 35,70 pontos, ou 0,27%, em 13.152,10 pontos. Entre os destaques do pregão estavam as ações dos bancos, por causa de especulações sobre fusões e aquisições (BBVA cedeu 0,47%, BSCH ganhou 1,67%, Banesto avançou 3,83% e Bankinter subiu 3,46%). Na semana, o Ibex acumulou uma alta de 1,68%. Lisboa Na Bolsa de Lisboa, o índice PSI-20 fechou com ganho de 4,90 pontos, ou 0,05%, em 10.385,89 pontos. "de uma maneira geral, foi um pregão sem direção e sem participantes", disse um operador; muitos investidores estavam ausentes por causa do feriado local de ontem. As ações da Energias de Portugal subiram 0,87% e as da Portugal Telecom recuaram 0,20%. Na semana, o PSI-20 acumulou uma alta de 0,78%. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.