Bolsas da Europa encerram semana com recuo de 1,7%

Cautela dos investidores antes do final de semana prolongado pressionou mercados para baixo

24 de maio de 2013 | 14h05

As bolsas europeias fecharam a sessão desta sexta-feira, 24, quase todas em baixa, pressionadas pela cautela dos investidores antes do fim de semana prolongado em Londres e nos Estados Unidos. Ainda ressoaram nos mercados de ações os receios com o fim dos estímulos à economia norte-americana e, nesta sexta-feira, 24, o dado que mostrou que a confiança do consumidor da Alemanha subiu mais do que o previsto em maio. O índice Stoxx Europe 600 caiu 0,2%, para 303,35 pontos, perdendo 1,7% na semana e rompendo uma série de quatro ganhos semanais seguidos.

Pela primeira vez desde meados de abril o índice FTSE-100 da Bolsa de Londres encerrou a semana em queda. O declínio nesta sexta-feira, 24, foi de 0,63%, para 6.654,34 pontos, e na semana as perdas acumularam 1,02%. As ações da mineradora ENRC lideraram as baixas, com -4,0%. Next caiu 2,4% depois de ser rebaixada pelo Morgan Stanley e BT Group cedeu 2,0% após um rebaixamento pelo JPMorgan.

Em Frankfurt, o índice DAX recuou 0,56%, para 8.305,32 pontos, dando continuidade ao movimento negativo de quinta-feira, 23, apesar da alta no índice IFO de confiança do consumidor para 105,7 em maio, acima da previsão de 104,4. Na semana, o DAX acumulou queda de 1,10%. Segundo operadores, as expectativas com as exportações alemãs se enfraqueceram, o que pode ter efeito negativo para a indústria local no futuro. SAP teve queda de 3,2%, Deutsche Bank perdeu 2,8% e Infineon cedeu 2,0%.

A Bolsa de Paris encerrou a sessão com o índice CAC-40 em baixa de 0,26%, aos 3.956,79 pontos. Na semana houve declínio de 1,11%. Os bancos foram destaque: Crédit Agricole caiu 1,9%, Société Générale declinou 0,8% e BNP Paribas recuou 1,3%. As ações da EADS, por outro lado, fecharam com alta de 1,2% em reação à notícia de que a Airbus recebeu encomendas de 100 aviões, no valor total de US$ 8,8 bilhões.

O índice Ibex-35 teve a maior queda entre as principais bolsas europeias, de 0,95%, para 8.264,60 pontos, com -3,70% na semana. Segundo uma reportagem do jornal Financial Times, os bancos espanhóis vão precisar separar mais 10 bilhões de euros para cobrir empréstimos de devedores duvidosos. Banco de Sabadell, Santander e Caixabank caíram 2,4%, 1,4% e 1,4%, respectivamente. Entre os mais negociados, BBVA teve queda de 1,0%. Bankia, cujo conselho estaria reunido nesta sexta-feira, 24, para avaliar a venda da filial na Flórida, caiu 4,41%.

A queda de 3,4% nas ações da Telecom Itália foi destaque na Bolsa de Milão, cujo índice FTSE-MIB caiu 0,66%, para 16.896,81 pontos, com um total de -4,01% na semana. Após a reunião do conselho realizada na quinta-feira, 23, a companhia decidiu adiar para 30 de maio a decisão final sobre uma separação da rede de telefonia fixa. Já a Fiat subiu 4,2% com ajuda de um dado bom sobre encomendas de bens duráveis nos EUA. A Fiat é dona da montadora norte-americana Chrysler.

A Bolsa de Lisboa foi exceção no dia e subiu 0,79%, para 6.018,65 pontos. O índice PSI-20 caiu 1,58% na semana. Nesta sexta-feira, 24, a EDP ganhou 2,0% após ter o preço-alvo de suas ações elevado pelo UBS. Galp Energia avançou 0,65%. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
Europabolsasfechamento

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.