Bolsas da Europa fecham em alta, otimistas com Espanha

Investidor reage bem ao orçamento de 2013 e de novas reformas econômicas do país

Sergio Caldas, Agencia Estado

27 de setembro de 2012 | 14h26

A maioria das bolsas europeias fechou em alta nesta quinta-feira, em um movimento de correção após as fortes perdas desta quarta-feira (26), com a reação positiva dos investidores aos primeiros detalhes do orçamento de 2013 e do novo pacote de reformas econômicas da Espanha. O índice Stoxx Europe 600 encerrou o dia com ganho de 0,3%, aos 271,65 pontos.

"De modo geral, é convincente e tem credibilidade como início de uma solução", disse um trader em Paris sobre o orçamento espanhol, acrescentando que o anúncio em Madri ajudou a sustentar as ações europeias em um dia de indicadores fracos dos EUA. Os dados do PIB norte-americano no segundo trimestre e de encomendas de bens duráveis em agosto, por exemplo, ficaram bem aquém das expectativas.

Poucos minutos antes do fechamento dos mercados europeus, o ministro do Orçamento espanhol, Cristóbal Montoro, disse estar confiante de que a meta fiscal deste ano será cumprida pelo governo federal e por todas as regiões espanholas, mas previu uma "leve" recessão para 2013. Montoro disse ainda que Madri criará um órgão supervisor para monitorar os orçamentos regionais e que a Espanha decidirá sobre um possível pedido de um programa de ajuda integral em conjunto com seus parceiros da União Europeia.

Em Londres, o índice FTSE 100 subiu 0,2% e fechou aos 5.779,42 pontos. As mineradoras foram favorecidas pela notícia de novas injeções de liquidez na China, com Evraz e Rangold avançando 4,3% e 4,7%, respectivamente. Já BAE Systems ganhou 2,4% depois de a EADS, controladora da Airbus, dizer que não planeja estender o prazo da proposta de fusão com a empresa britânica.

No setor tecnológico, o destaque foi a Nokia, cujas ações saltaram 2,7% na Bolsa de Helsinque após a companhia revelar seus planos de marketing para sua linha Lumia de smartphones.

A bolsa francesa teve o melhor desempenho do dia, com o índice CAC 40 avançando 0,72%, terminando aos 3.439,32 pontos. Os bancos voltaram a se destacar, com ganhos registrados pelo Crédit Agricole (+3,8%) e Société Générale (+1,6%).

Em Madri, o índice Ibex 35 destoou e perdeu 0,15%, terminando a sessão aos 7.842,30 pontos. A queda foi atribuída ao atraso no anúncio do orçamento espanhol, que deveria ter sido feito por volta das 9h (de Brasília) e acabou ocorrendo apenas três horas depois.

O índice Dax, de Frankfurt, garantiu uma alta de 0,19% e fechou aos 7.290,02 pontos. Em Milão, o índice FTSE Mib avançou 0,27%, encerrando aos 15.450,14 pontos, com suporte da Campari (+4%), Mediobanca (+3%) e Telecom Itália (+1.5%). Fiat, por outro lado, perdeu 2,1% no mercado italiano. Em Lisboa, o índice PSI 20 subiu 0,36% e terminou aos 5.232,37 pontos.

Entre as bolsas menores, a de Atenas encerrou o pregão com forte baixa de 1,7%, com o índice ASE a 742,44 pontos, em meio a preocupações de que a coalizão governista da Grécia possa ter problemas para aprovar seu último pacote de austeridade no Parlamento. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
bolsasEuropa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.