Bolsas da Europa fecham em baixa após dados dos EUA

As principais Bolsas européias fecharam em queda, depois de os dados de renda pessoal e gastos com consumo nos EUA em junho colocarem o núcleo do índice de preços dos gastos com consumo no nível mais alto dos últimos 11 anos, fazendo crescer o temor de elevação das taxas de juro. Os mercados já vinham prevendo que o Banco Central Europeu (BCE) elevasse sua taxa básica de juros nesta quinta-feira e agora apareceram previsões de que o Banco da Inglaterra faça o mesmo. Os mercados também reagiram a informes de resultados de grandes empresas, como a holandesa KPN (cujas ações subiram 5,6% em Amsterdã) e Deutsche Bank. Na Bolsa de Londres, o índice FT-100 registrou baixa de 47,5 pontos (0,80%), para 5.880,8 pontos. Entre as ações de empresas que divulgaram resultados, os destaques foram HBOS, do setor financeiro (-0,21%), a companhia aérea Ryannair (-3,5%) e a mineradora Antofagasta (-0,12%). As ações da Vodafone, do setor de telecomunicações, caíram 1,72%, depois de a norte-americana Verizon dizer que a empresa britânica não tem interesse em vender sua participação de 45% na Verizon Wireless. Entre as empresas que divulgarão resultados nesta quarta-feira estão Lloyds TSB, Hanson, BOC Group, Xstrata e Cadbury Schweppes. No mercado de Paris, o índice CAC-40 fechou em queda de 61,19 pontos (1,22%), em 4.948,23 pontos. As ações da Peugeot-Citroën caíram 1,17%, as da Renault recuaram 0,18% e as da Michelin perderam 0,63%, em reação à divulgação do fraco número de veículos novos registrados na França em junho. Entre as ações que subiram estavam EADS (+1,55%) e Thales (+1,6%). As da Danone, que divulga seu informe de vendas do primeiro semestre nesta quarta-feira, caíram 2,71%. Sanofi-Aventis, Veolia Environnement, BNP Paribas, Arcelor e Lafarge divulgam resultados amanhã. Na Bolsa de Frankfurt, o índice Xetra-DAX registrou perda de 85,23 pontos (1,50%), para 5.596,74 pontos. Várias ações reagiram à divulgação de resultados (Deutsche Bank -4,71%, MAN +0,51%, Deutsche Post -4,28%, Heidelberger Drücksmaschinen -1,52%, Epcos -1,29%). Amanhã o mercado estará atento aos dados de estoques de petróleo dos EUA na semana passada e a vários informes de resultados (entre eles BASF, Altana, Deutsche Börse, Henkel e BMW). O índice S&P-Mib, da Bolsa de Milão, terminou o dia em queda de 314 pontos (0,86%), em 36.292 pontos. Segundo operadores, o mercado reagiu negativamente à decisão do governo italiano de submeter sua proposta de Orçamento a um voto de confiança do Parlamento ainda neste mês; isso foi recebido como sinal de fraqueza da coalizão governista. Entre as ações que mais caíram estavam as dos bancos (Mediobanca -2,48%, Intesa -1,06%, Unicredito -1,43%). As ações da Edison, que divulga resultados amanhã, recuaram 0,38%. Em Madri, o índice Ibex-35 cedeu 111,40 pontos (0,94%), para 11.706,60 pontos. Algumas ações que haviam subido muito recentemente devolveram os ganhos (Santander -1,53%, Telefónica -0,60%). Analistas da Noesis disseram que o mercado deverá subir no curto prazo, com nível de resistência em 12.100 pontos; o nível de suporte está em 11.635 pontos. Na Bolsa de Lisboa, o índice PSI-20 fechou em alta de 4,34 pontos (0,04%), em 9.669,77 pontos. As ações da Portugal Telecom subiram 0,31%, em meio à expectativa de que a oferta de aquisição feita pela SonaeCom seja maior do que ? 9,50 por ação. As ações da Altri avançaram 3,05%, em reação a comentários positivos dos analistas do Banco Comercial Português. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.