Bolsas da Europa operam sem direção única nesta 3ª

Sem grandes eventos locais ou indicadores previstos, investidores focam no mercado norte-americano

22 de outubro de 2013 | 07h53

Com a temporada de balanços corporativos na Europa apenas no começo e sem grandes eventos ou indicadores previstos na região, os investidores europeus se concentram nas informações sobre a economia dos Estados Unidos. Nesse contexto, as bolsas locais operam de lado enquanto aguardam a divulgação do relatório de setembro sobre o mercado de trabalho norte-americano, após o atraso causado pela paralisação parcial daquele governo.

Além de dar sinais sobre a recuperação da economia norte-americana, o relatório ajudará a deixar mais claro quando o Federal Reserve, Fed, o banco central dos EUA, poderá começar a reduzir o programa de compra de bônus. O presidente do Fed de Chicago, Charles Evans, afirmou, na segunda-feira, 21, que o banco central norte-americano precisará de pelo menos "alguns meses" de informações econômicas antes de decidir se deve diminuir os estímulos monetários.

"Precisaremos ver um número bastante forte para que tenha impacto significativo sobre a política monetária adiante", comentou Keith Wade, economista-chefe da Schroders. O relatório mensal sobre emprego nos EUA sai às 10h30 (pelo horário de Brasília).

O único evento de destaque na Europa nesta manhã foi o leilão de 3,522 bilhões de euros (US$ 4,82 bilhões) em títulos de três e nove meses da dívida da Espanha, no qual os custos de financiamento diminuíram.

Na agenda de indicadores, o Reino Unido informou que tomou menos empréstimos em setembro do que no mesmo mês do ano passado, à medida que a recuperação da economia britânica começou a gerar aumento nas receitas fiscais. Os empréstimos líquidos do setor público - a medida preferida do governo sobre o déficit orçamentário - caíram para 11,1 bilhões de libras (US$ 17,9 bilhões) no mês passado.

No noticiário corporativo, BHP Billiton divulgou números bons sobre a produção em seu primeiro trimestre fiscal e elevou em 2,5% a projeção para a produção de minério de ferro em todo o ano, para 212 milhões de toneladas. Às 7h25 (horário de Brasília), as ações da mineradora subiam 3,02% na Bolsa de Londres.

Em Paris as ações da petroleira Total operam em queda, depois de um consórcio do qual a companhia francesa faz parte ter recebido ontem os direitos para desenvolver o Campo de Libra, no Brasil. No horário acima, Total caía 1,86%.

No mesmo horário, Londres era a única entre as principais bolsas europeias a operar em alta, com +0,05%. Frankfurt caía 0,17%, Paris recuava 0,20%, Madri cedia 0,41% e Milão declinava 0,04%.

Tudo o que sabemos sobre:
bolsas de valoresEuropa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.