Bolsas da Europa revertem ganhos da abertura e caem

As principais bolsas européias reverteram os ganhos registrados na abertura e operam em baixa acentuada, retomando a tendência dos últimos pregões e ofuscando alguns balanços corporativos fortes. Pesa sobre o índice de Londres o fato de que dez de seus componentes começam a operar hoje sem dar direito a dividendos. Entre eles estão os bancos Lloyds TSB (-4,5%), Royal Bank of Scotland (-3,1%) e Standard Chartered (-2,2%). As mineradoras também seguem em queda, em meio às preocupações com a sustentabilidade dos preços das commodities e com as negociações relacionadas ao minério de ferro (BHP Billiton -2,9% e Rio Tinto -2,6%). Na Bolsa de Paris, EADS, controladora da Airbus, ganhava 1,7%, depois anunciar aumento de 39% do lucro líquido em 2005, para 1,7 bilhão de euros. Credit Agricole, o maior banco de varejo do país, subia 0,8%, depois de informar que seu lucro líquido mais que dobrou no quarto trimestre, superando as estimativas. O grupo foi beneficiado pela conclusão da aquisição do Credit Lyonnais, que havia prejudicado os resultados no ano anterior. Mas os balanços não ajudavam a todos. As ações da Accor, por exemplo, chegaram a perder mais de 6%, após o grupo hoteleiro anunciar lucro líquido de 333 milhões de euros em 2005, perto do piso das previsões de mercado. Suez ganhava 2%, com a notícia publicada no Wall Street Journal informando que a italiana Enel já deu quase todos os passos necessários para lançar uma oferta hostil para comprar o grupo. Enel cedia 1,2%. As petrolíferas seguem em baixa, por causa da queda do preço do petróleo (OMV -3,7%, Repsol -1,1%). Às 9h05, o índice FT-100, da Bolsa de Londres, caía 1,07%. Em Paris, o CAC-40 perdia 1,01% e em Frankfurt o Dax caía 1,02%. As informações são de agências internacionais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.