Bolsas da Europa sobem; ações de montadoras caem

As ações das montadoras européias estão em queda, com o balanço da Peugeot freando a demanda pelos ativos do setor, enquanto os índices referenciais das principais bolsas operam com ganhos modestos. Em Londres, o FT-100 subia 0,33%; o CAC-40, de Paris, ganhava 0,21% e o Xetra-DAX, de Frankfurt, 0,25%. Os papéis da Peugeot despencavam 7,7%, após a montadora francesa ter anunciado resultados abaixo da previsão no primeiro semestre, além de um alerta sobre seu lucro no segundo semestre. A empresa atribuiu o desempenho aos custos mais elevados das matérias-primas, às condições árduas do mercado e à demanda estável. A PSA Peugeot-Citroen informou lucro líquido de 303 milhões de euros (US$ 381,35 milhões) no primeiro semestre, menos da metade dos 752 milhões de euros do ano anterior. O lucro operacional ficou em 691 milhões de euros, de 1,29 bilhão de euros no mesmo período de 2005. A margem operacional caiu para 2,4% das vendas, de 4,4% no mesmo período de 2005. A empresa alertou que não espera melhora no lucro operacional no segundo semestre. A segunda maior companhia automotiva da Europa disse que os preços de matérias-primas como metais preciosos e não ferrosos vão corroer seus lucros em cerca de 250 milhões de euros no segundo semestre, após um impacto negativo de 206 milhões de euros no primeiro semestre. Em reação direta aos comentários da Peugeot, as ações da Volkswagen caíam 0,5%, enquanto os papéis da BMW cediam 0,9%. O alerta da Peugeot contrasta com os números divulgados hoje pela japonesa Honda. A Honda anunciou que seu lucro líquido consolidado no primeiro trimestre fiscal, encerrado em 30 de junho, foi de 143,4 bilhões de ienes (US$ 1,244 bilhão), o que representou um crescimento de 29,6% ante o período correspondente de 2005. O lucro operacional aumentou 19%. A empresa atribuiu o desempenho às vendas robustas de veículos com utilização eficiente de combustíveis no mercado crucial dos EUA. Em Londres, as ações da Reuters subiam 4%, após a empresa de comunicação elevar sua previsão de faturamento para 2006 e ampliar o dividendo aos acionistas pela primeira vez em cinco anos. No primeiro semestre, o lucro operacional aumentou 16%, para 122 milhões de liras e as vendas avançaram 12%. A expansão das vendas veio da aquisição da Telerate, do fortalecimento do dólar e um aumento subjacente de 5% da receita com elevação de preços e melhora no volume. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.